Tales of Berseria | Análise Playstation 4

7 Março, 2017  Por Ricardo Nogueira
0


Tales of Berseria é o décimo sexto jogo da série Tales. Desenvolvido pela Bandai-Namco e lançado mundialmente em janeiro de 2017, Tales of Berseria está disponível para a Playstation 3, Playstation 4 e Windows. Artes, Anime e um elenco variado, temos tudo o que é de esperar num Tales of. Como é que Berseria…

Tales of Berseria

Enredo - 9.5
Jogabilidade - 7.5
Estética - 6.5
Som - 8.5

8

Bom

Pontos fracos: Gráficos upgraded de Playstation 3.

Pontos fortes: Enredo fantástico. Personagens vivas e com personalidade. A Magilou.

Avaliação dos Leitores do ptAnime: Sê o primeiro!
8

Tales of Berseria é o décimo sexto jogo da série Tales. Desenvolvido pela Bandai-Namco e lançado mundialmente em janeiro de 2017, Tales of Berseria está disponível para a Playstation 3, Playstation 4 e Windows. Artes, Anime e um elenco variado, temos tudo o que é de esperar num Tales of. Como é que Berseria se destaca?

 

Ligeiros spoilers para a primeira hora do jogo no vídeo.

 

Tales of Berseria | Enredo

No universo de Tales of Berseria, o mundo está a ser atacado por uma praga que transforma humanos em demónios. Durante a introdução, que não quero spoilar, descobrimos que alguns humanos formam pactos com os Malakhim, uma raça de seres poderosos e invisíveis. Estes humanos tornam-se exorcistas, os únicos que conseguem derrotar os demónios.

No fim da introdução, a protagonista Velvet torna-se um demónio, os Malakhim tornaram-se visíveis, e o mundo fica um lugar mais pacífico devido ao aumento do poder dos exorcistas. Mas isto tudo a grande custo pessoal para Velvet. O objetivo de Tales of Berseria é então guiar Velvet numa jornada desenfreada para matar o responsável por melhorar o mundo.

É aqui que Tales of Berseria se destaca de uma forma interessante: tal como indica a sua tagline, é uma história de lógica contra a emoção. Para todos os efeitos, Velvet e os companheiros que ela recruta são vilões. Os exorcistas são heróis que de facto melhoraram o mundo. O custo, na grande perspetiva das coisas, não foi elevado. Faz sentido, tem a sua lógica. Mas para Velvet, o custo foi grande, pessoal, e nenhuma paz mundial vale a pena. Ela está determinada em acabar com os exorcistas e o seu líder, guiada pela emoção crua.

 

Tales of Berseria Velvet

É tipo o Sasuke se ele fosse (mais) menina.

 

Obviamente que nem tudo é o que parece e, como qualquer JRPG que se preze, Tales of Berseria bofeteia o jogador com reviravoltas. O enredo e as personagens são sem dúvida o melhor aspeto de Tales of Berseria!

Inicialmente uma genérica anti-heroína trágica, Velvet tem um desenvolvimento bem executado no desenrolar do jogo. É também a primeira protagonista feminina de um Tales (A Milla do Xillia não conta, ela era coprotagonista!). O Rokurou, um demónio de guerra com uma espada que se recusa a usar, destrói as expetativas ao revelar-se um brincalhão e um paz de alma. O Laphicet também tem um desenvolvimento interessante, à medida que descobre a sua personalidade e cria amizades. O Malak pirata Eizen é o mais genérico, o típico calado e sério, mas mesmo assim com um conceito interessante. E a minha favorita, a bruxa Magilou, que sempre que fala é para fazer o jogador rir e nunca leva nada a sério.

Existe mais uma personagem, mas não quero estragar a surpresa!

 

Tales of Berseria Personagens

Ai o Laphicet é tão fofinho olhem para aquilo até o espremia!

 

A escrita e a história conseguem atingir o objetivo de qualquer JRPG. No fim, vemos o nosso grupo como uma família e conseguimos sentir a química entre eles. É capaz de ser o melhor elenco de um Tales que eu tenha jogado.

 

Tales of Berseria | Jogabilidade

O Linear Motion Battle System, já uma marca da série, regressa em Tales of Berseria. Em combate, podemos controlar cada personagem individualmente e usar as suas Artes para desencadear combos em tempo real. Para os novatos na série, não é um sistema de turnos, mas sim mais do género hack-n-slash. As lutas são fluidas e os inimigos não aparecem aleatoriamente, mas sim no próprio mapa do jogo. O que tenho a apontar do combate é que, para toda a complexidade que os tutorias apresentam, não vai muito para além de “carregar nos botões até ganharmos”. Até na maior dificuldade, não há grande estratégia a aplicar. O que até apreciei, pois andar nas dungeons e lutar com os inimigos é a parte menos interessante de Tales of Berseria.

 

Tales of Berseria Combate

Tudo ao molhe e fé em Deus.

 

Para aliar ao combate, temos também a opção de comprar e editar as armas de cada personagem e uma extensa lista de Artes.
Mas existe mais para fazer em Tales of Berseria! Há caças a monstros específicos a fazer, uma panóplia de mini-jogos nas cidades, e o modo semelhante a uma visual novel onde os nossos companheiros opinam sobre a situação do momento. Volto a dizer, as partes mais divertidas de Tales of Berseria são quando os personagens interagem, e a quantidade de diálogo e interações é imensa!

Reminiscente a Final Fantasy XVtemos também sistema de cozinha. Reunir ingredientes e cozinhar pratos para ter boosts nas batalhas é uma mais-valia. E, de maneira conveniente, temos uma função de auto-cooking: quando tivermos os ingredientes e receitas necessárias, o jogo alimenta os personagens automaticamente, para os jogadores que não se querem preocupar com essa função.

E para finalizar, existe também a opção de personalizar a roupa e acessórios dos personagens. Quem me conhece sabe que é aqui que eu passo horas! Existem imensas roupas, acessórios e penteados disponíveis em Tales of Berseria, com ainda mais packs disponíveis como DLC.

 

Tales of Berseria Roupas

Smooth like Velvet

 

Tales of Berseria | Estética e Som

Tales of Berseria continua a tradição da série, do estilo anime e visuais coloridos, cenários high fantasy e efeitos de magia elaborados. Cutscenes em animação 2D também marcam presença, num estilo reminiscente a Code Geass bastante agradável. O uso de cores é fantástico, dando vida até ao mais sombrio dos mapas. Só é pena a resolução gráfica. Tales of Berseria foi feito para a Playstation 3, sendo que a versão da Playstation 4 é apenas um upgradeNa maior parte do tempo não se nota, mas em algumas cutscenes podemos reparar que o potencial da nova geração não é aproveitado.

 

Tales of Berseria Cenário

Muitos dos mapas são de deixar água na boca, mesmo sendo aparente os gráficos mais low-poli.

 

A música de Tales of Berseria não tem muito que se lhe diga. Não é de todo má, mas não é memorável. No departamento do áudio, o que se destaca mais são as vozes e o actingTanto na versão Japonesa como na Inglesa as vozes combinam perfeitamente com o personagem, e surpreendentemente, até prefiro algumas da versão Inglesa. Mas, a sério, têm de ouvir a Magilou a falar em Japonês a convencer a Velvet a imitar um pombo. Confiem em mim!

 

Tales of Berseria | Juízo Final

Tales of Berseria, apesar do seu combate fácil e gráficos de Playstation 3, compensa com um elenco e universo fantásticos. O enredo é emocionante, oferece imensas side-quests e roupas para colecionar, e a oportunidade de conhecer a Magilou. A minha nova waifu. Tales of Berseria vai garantidamente deixar-vos colados à vossa consola, até ao último plot twist!

 

Tales of Berseria Crimson Night

Cruzes!

 

Também de realçar, a Edição Promocional do jogo vem com alguns goodies interessantes. Deixo-vos com o unboxing!

 

 

Comentários do Facebook









Também deverás gostar de




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Outras Histórias
Co-Fundadores da Gainax comentam FLCL 2 e Gunbuster 3 No passado setembro de 2016, Eldur_380 do site OtaCrew teve a oportunidade de falar com dois dos co-fundadores da Gainax: Yoshiyuki...
Partilhas