Gleipnir – Primeiras Impressões

Olá a todos! Como vão? Seguros? Estão todos a tomar os cuidados necessários? Espero que sim. Bem, demorei-me três semanas para trazer as minhas primeiras impressões de Gleipnir pelo facto de, como leitor do manga, eu queria ver como as coisas andariam. Para minha alegria o anime tem-me surpreendido de forma positiva, então, sem mais demoras, vamos ao que interessa.

 

 

 

Gleipnir – Primeiras Impressões

Antes de falar sobre a história de Gleipnir é importante comentar, há algum tempo não se via um anime como este. Digo isto pelo tema abordado em Gleipnir, já faz um bom tempo que os animes têm adquirido “cores mais leves” e a enxurrada de Isekais dos últimos anos é a prova disso. Mas Gleipnir vai um pouco na contramão destas “fantasias agradáveis”, talvez o mais próximo que tenhamos dele seja Globin Slayer, que abusou bastante da violência.

Gleipnir trata-se de ser um seinen, ou seja, o seu público alvo são “homens adultos” com isso já sabemos que o anime trata de assuntos mais “pesados”. Morte, sensualização e mistério, é isso que temos em Gleipnir, algumas pessoas estavam a reclamar um pouco do ecchi presente nele, mas depois falamos sobre isso.

 

 

As moedas e os monstros

Em Gleipnir acompanhamos Shuuichi, um estudante do terceiro ano do secundário que tem a capacidade de transformar-se em algo semelhante a uma “mascote de equipa”. Ele não faz ideia do porquê de ter essa habilidade, muito menos de como usá-la. Mesmo com esta habilidade a vida de Shuuichi era normal, até ele encontrar Claire, uma aluna do primeiro ano que descobre o seu segredo.

Até aqui tudo bem, está tudo muito bonito e divertido, as coisas começam a aquecer quando Claire questiona Shuuichi sobre uma misteriosa moeda. Sem saberem de nada os dois decidem descobrir o que é aquela moeda. O que ela tem haver com a habilidade de Shuuichi e o que tudo isso tem haver com a irmã de Claire, que também é um monstro e parece ter morto os seus pais.

 

 

O anime em si

Vou rasgar alguns elogios aqui! A animação está muito boa, fluida e constante, os momentos de ação, as lutas, toda a movimentação bem consistente. O traço faz jus ao manga e passa-nos bem os sentimentos e as sensações dos personagens. Outro detalhe que achei bem positivo é a banda sonora, pois criou um ótimo ambiente que funcionou muito bem com o tema mais maduro do anime e com todos os acontecimentos narrativos.

Um ponto que para muitos é negativo é o excesso de ecchi. Entendo aqueles que não gostam disto, até porque não acrescenta em nada ao anime, mas isso faz parte da visão artística do autor para a obra. Pelo menos, ao meu ver, o ecchi aqui não é algo que force muito, como uma criança de 12 anos a ter o corpo de uma mulher de 18, que acontece às vezes. Aqui a coisa é um pouco mais real, e ponderando que os personagens são um tanto quanto “problemáticos” até pode fazer sentido.

 

 

As minhas esperanças

Como acompanho o manga já há algum tempo e não encontrei nenhuma informação sobre a quantidade de episódios, espero que o anime venha a adaptar o manga na integra. Além disso, acredito que o manga já se encontra a caminho do seu final. Então, seria ótimo ver a obra a ser adaptada de forma completa e sem alterações, com boa fidelidade ao manga. Há algumas censuras na adaptação, mas acredito que foram bem colocadas, que continuem desta forma, e que não diminuam a história.

Quero saber de vocês! Quem está a ver Gleipnir? Conheciam, esperavam que a história fosse por este caminho? Deixem seus comentários e sigam o ptAnime em todas as redes sociais para não perderem nada!

 

 

Artigos Relacionados

Demon Slayer: Mugen Train bate vários Recordes de Bilheteira

Tsuki ga Michibiku Isekai Douchuu – Novel recebe Anime

Date A Bullet – 2.º Filme Anime revela Trailer