Boku no Hero Academia – Entrevista Kohei Horikoshi | Julho 2018

por Pedro Costa
Boku no Hero Academia Confirma Adaptação Anime | Horikoshi Kouhei em Entrevista | Jump Festa 2016 | Boku no Hero Academia anuncia Segunda Temporada | Boku no Hero Academia - Entrevista Kohei Horikoshi | Julho 2018

 


ALERTA SPOILERS!!

QUEM NÃO LEU ATÉ AO CAPÍTULO #185 DE BOKU NO HERO ACADEMIA, AFASTE-SE!


 

Graças à Audrey, que fez a tradução para Inglês, é-nos possível partilhar com vocês a mais recente entrevista que Kohei Horikoshi, autor de Boku no Hero Academia, deu à Comic Natilie.

O mestre discutiu várias coisas desde, o que é um herói, qual dos arcs foi o mais difícil de desenhar, o quanto ele esteve envolvido no novo filme e muito mais! É uma longa e fantástica entrevista e espero que apreciem.

 

Boku no Hero Academia – Entrevista Kohei Horikoshi:

Boku no Hero Academia - Entrevista Kohei Horikoshi

 

O INTERNSHIP ARC FOI DIFÍCIL

Entrevistador (E): Boku No Hero Academia celebra em julho o seu 4º aniversário. Parabéns!

Kohei Horikoshi (KH): Ahh, já passaram 4 anos, huh. Muito obrigado.

E: Bem, vamos então discutir algum do conteúdo de Boku no Hero Academia. De momento, o mais recente volume é o Volume 18 [entretanto já foi lançado o Volume 19] e, até agora, Deku e os demais têm estado a estagiar com heróis profissionais, tendo entretanto também entrado em contacto com vilões. Este é o “Internship Arc” e é suposto ser o mais longo arc na história de Boku No Hero Academia até à data, certo?

KH: Quando eu comecei o “Internship Arc”, eu estava a penar que queria fazer dele o mais arc mais longo até à data. Até agora, mesmo os mais longos arcs de BNHA não ocuparam mais de dois volumes. Contudo, séries como ONE PIECE têm arcs que “continuam sem parar”, não é?

E: O mais longo arc de ONE PIECE ocupou, provavelmente, mais de 10 volumes.

KH: Eu queria desafiar-me a mim mesmo na criação de um arc longo assim. Para além disso, eu precisava de introduzir personagens que vão estar presentes no último arc da história de Boku No Hero Academia, então queria estabelecer isso. Porém, para dizer a verdade, quando eu estava a escrever o “Internship Arc”, foi algo realmente difícil de passar por. No meio do arc eu pensei para mim mesmo, “Eu não consigo fazer isto”.

E: Foi o tamanho do arc que o fez passar por dificuldades?

KH: Não foi por causa do arc ser longo, mas mais devido à história que o tornou difícil. A história era demasiado negra e, durante o meio desta, eu simplesmente não a estava sentir.

E: De facto, o “Internship Arc” teve também um personagem que efetivamente faleceu e foi um episódio muito pesado que não tinha acontecido até agora.

KH: Quando eu leio outros manga, ou vejo filmes, realmente gosto de histórias com enredos mais negros. Gosto também de histórias que não têm finais felizes e consigo totalmente suportar gore e horror. Contudo, quando sou eu a escrever, torna-se mesmo difícil. Eu sou alguém cujos sentimentos flutuam conforme o conteúdo no qual estou a trabalhar.

 

Sir Nighteye

 

 

ESTE FOI UM ARC QUE VOCÊ QUERIA QUE OS LEITORES PENSASSEM QUE SERIA O ÚLTIMO

E: Quando estava a escrever este negro episódio, como manteve a sua própria tensão durante o processo?

KH: Na história, se estou a escrever sobre um desenvolvimento “feel good”, então é aí que eu recupero os meus próprios sentimentos. Por exemplo, no “Internship Arc”, a personagem Fat Gum verdadeiramente me salvou.

E: Com o nome “Fat”, ele era como o seu nome sugere, falava com sotaque Kansai e era uma bela personagem de “comic relief”, certo?

KH: Na cena em que o Fat Gum e o Kirishima a combatem o vilão, eu senti-me realmente apaixonado e fui capaz de transferir isso para o meu pincel. A partir daí, fui finalmente capaz de escrever o “Internship Arc” a pouco e pouco. Fat Gum é o Meu Herói.

E: Sobre o tópico de pontos de enredo mais escuros, atualmente no anime, a luta ente All Might e All For One é também um episódio que pesa imenso. Horikoshi-sensei, você começou o episódio no Volume 8 e fez um comentário que “Desta vez, eu quero escrever uma história um pouco mais dolorosa”.

KH: Como esperado, escrever esse arc foi duro. Dentro da batalha entre All Might e All For One, quando o resgate de Katsuki, que tinha sido anteriormente raptado pelos vilões, foi finalmente posto em curso, fui capaz de ver a luz e sentir-me muito melhor. É isso que quero dizer quando eu digo que dentro da história, os meus próprios sentimentos ficam transferidos no papel, pensando para mim mesmo, “Finalmente desenhei-o”.

E: Que tipo e tensões estava a sentir nessa altura?

KH: O meu objetivo foi deixar os leitores pensar que Boku No Hero Academia acabaria durante esta luta. Contudo, os leitores provavelmente sabiam que este não seria o final e, nessa altura durante a votação, existiam críticas realmente boas, dando-me o sentimento que este manga não iria ser colocado de lado como uma simples coisa.

E: Qual foi o seu raciocínio em querer que os leitores pensassem que esta seria a conclusão da série?

KH: Uma vez que All Might perde o seu poder nesta luta, eu não podia simplesmente desenhar com um sentimento de tensão normal. Não é realmente “PLUS ULTRA”, mas foi um episódio no qual eu precisei de ultrapassar o limite de forma a deixar uma impressão no leitor. Eu queria criar uma história onde os leitores pudessem relembrar Boku No Hero Academia e dizer que o melhor episódio de toda a série, foi a luta entre All Might e All For One.

 

 

 

O QUE É UM HERÓI?

E: Este assunto está presente no arc atual, mas para Horikoshi-sensei, o que é um Herói em Boku No Hero Academia?

KH: “O que exatamente é um herói?” É sobre isto que eu penso e o que me faz querer desenhar. O que é um herói? É difícil colocar em palavras.

E: Como definiria a imagem de um herói?

KH: Mais do que isso, eu pessoalmente não quero definir isso. Quando Boku No Hero Academia começou, numa entrevista passada, eu lembro-me de responder “Um herói provavelmente teria este tipo de existência”. Contudo, recentemente, tenho estado a pensar sobre como existem muito mais pontos de vista que se correlacionam com o que é um herói. Por exemplo, algumas pessoas podem pensar que um herói é alguém que “mesmo que sejam um lobo solitário, faria o seu melhor e tal seria alguém a quem se possa chamar de herói”. Há também outros que podem pensar que heróis seriam como um jogador profissional de basebol, alguém que espera que toda a gente aprecie o seu trabalho. Não existe uma palavra única que consiga precisamente definir “Ah, isto é um herói”, na minha opinião.

E: Já exisitu algum gatilho que tenha feito mudar o seu processo de pensamento dentro da história?

KH: À medida que a serialização prosseguiu, e depois de ver várias críticas dos leitores, decidi começar a avançar a história de várias personagens. Por exemplo, para Deku, um herói é alguém capaz de salvar pessoas e para Katsuki, um herói é alguém que consegue vencer. Quando me apercebi que tinha que escrever acerca das suas histórias inteiras, comecei a pensar que tinha de descortinar, coletivamente, o que uma figura heróica seria para várias pessoas e eu creio que se se pode chamar a isso um gatilho, então acho que este é um.

 

 

 

 

UMA PERSONAGEM QUE FOI EXPANDIDA APÓS SERIALIZAÇÃO INICIAL

E: A série está em serialização há quatro anos. Posto isto, existem algumas personagens que tenham sido expandidas daquilo que o mestre tinha originalmente planeado?

KH: Hm… Eu acho que All Might, Katsuki, Todoroki, Endeavor, Ochako são todas personagens às quais isto se pode aplicar, mas uma vez que ela são todas personagens principais que têm estado a progredir desde a sua introdução, eu não diria que é uma expansão da sua personagem per se. Contudo, se estamos a falar sobre personagens que tiveram maior expansão de enredo, então diria a Tsuyu e a Toga. Eu penso que desde que elas foram introduzidas, tivemos em consideração a voz dos leitores e mudámos posteriormente as suas histórias. É por isso que provavelmente diria a Tsuyu e a Toga

E: Aoyama esteve em destaque no início do Volume 19. Durante o evento do anime de Boku No Hero Academia e, de acordo com a cobertura da imprensa, vários membros do elenco disseram que gostam de Aoyama, mas claro, se for suficientemente popular, irá ele ter o seu próprio destaque? [não sei se está relacionado com próprio side story ou expansão da história]

KH: Não, isso não é exatamente verdade (risos). Apenas porque ele é popular hum… se calhar ele é popular apenas entre membros da indústria.

E: Oh não (risos)! Além de Aoyama-kun, se tivesse que dar destaque a outra personagem da Classe A, quem seria?

KH: Se for das raparigas, então escolheria a Ashido. Ela é bem fofa e uma boa personagem, então eu gostaria de escrever sobre ela. Se for dos rapazes, então escolheria o Sero, o rapaz que tem habilidades tipo-Spiderman que poderia ter grande sequências de ação. Contudo, eu penso que incluindo a Hagakure, o Shouji, etc., eu gostaria de escrever mais sobre todos os membros da turma. Na verdade, já temos planeada uma história que destaca o Shouji, por isso vamos provavelmente incluí-la algures.

 

 

 

EU QUERO ATINGIR O PRIMEIRO LUGAR NAS VOTAÇÕES

E: Na revista Da Vinci da Kadokawa, teve uma entrevista com Kishimoto-sensei de Naruto e, durante a discussão, mencionou que estava preocupado acerca de acompanhar as exigências dos leitores.

KH: Sim, disse.

E: Naquela altura, Boku No Hero Academia ia apenas no seu 3º volume, mas entretanto o anime, jogos light novels e agora o filme foram lançados, tendo a série expandindo-se a vários tipos de media. Como mantém a exigência os leitores neste caso?

KH: As mais importantes são, claro, as votações. Eu aponto sempre ao topo e não perder qualquer tracção. Boku No Hero Academia flutua muito nas votações, então tem havido momentos nos quais mergulhou. É por isso que eu quero criar uma história fantástica que consiga atingir o 1º lugar e criar conteúdo com a esperança de que vai atingir o 1º lugar. Inicialmente pensava que desde que o anime começou, eu realmente precisava de colocar o meu todo nisto, mas se eu continuar a pensar assim, então iria provavelmente quebrar com a pressão. É por isso que agora quero apenas focar-me nos conteúdos do manga.

E: Mencionou anteriormente que Yahagi Kousuke, a pessoa que inicialmente ajudou a serialização de Naruto, foi uma grande presença para si.

KH: É verdade. Ele está sempre na minha consciência.

E: Pensa no editor que inicialmente o ajudou na serialização?

KH: Às vezes. Apesar de termos agora um editor diferente para Boku No Hero Academia, eu às vezes penso sobre o que o primeiro editor Koike-san diria, assim como “talvez ele ficasse chateado com isto”, por aí. Contudo, eu ouvi dizer que Koike-san disse ao meu atual editor que elogiou a nova personagem Hawks, e isso deixou-me verdadeiramente feliz do fundo do meu coração. Mas excluindo isso, o meu primeiro editor tem de facto uma presença dentro de mim.

 

 

 

O FILME TEM UM COMBO COM DEKU E ALL MIGHT QUE NÃO ESTÁ NO MANGA

E: Muito bem, vamos falar um pouco sobre o Boku No Hero Academia Movie “The Two Heroes”, o qual será lançado nos cinemas em agosto! Quando foi decidido que iria haver um filme, quais foram os seus sentimentos?

KH: Eu tive um sentimento de “esperem…não acredito, estão a brincar, certo?” Previamente, houve uma conversa sobre fazer um filme, mas eu nunca acreditei. De facto, à medida que a história progredia mais e mais, mesmo que fossemos ter uma reunião com a equipa técnica, eu tinha a certeza que os planos acabaram por cair por terra. Porque um filme requer muita mão de obra para acontecer, eu verdadeiramente pensei que nunca iria ser possível, mas agora que penso nisso, fui um pouco rude nesse aspeto.

E: Horikoshi, você está listado como o criador e supervisor do filme. Trabalhou exatamente em quê?

KH: Eu trabalhei em várias coisas como o design para David e Melissa, assim como o que eu quero ter no enredo do filme, o que eu quero que as personagens façam e discutimos isto aprofundadamente com o Realizador Nagasaki e a equipa do filme. Adicionalmente, eu li os guiões e ofereci as minhas opiniões pessoas acerca da direção que a história deveria tomar.

E: Que tipo e cenários lhe foram inquiridos pela equipa?

KH: Não foi debatido no primeiro rascunho, mas eu queria que Deku realmente tentasse o seu máximo na história. Eu queria também que pessoas que não soubessem nada de Boku No Hero Academia fossem capazes de desfrutar do filme. Uma vez que é um filme, eu queria que Deku e os outros pudessem ir para um local diferente! (risos)

E: A ação decorre numa ilha flutuante no estrangeiro e vemos ainda que um Jovem All Might estudou numa cidade Americana.

KH: Quando eu crio uma personagem, eu penso na sua cronologia e, no caso de All Might, a sua história é que ele estudou no estrangeiro na America, então é por isso que eu queria expandir nesse aspeto.

E: No trailer, existem cenas onde eles estão a lutar e a animação está realmente bem feita!

KH: Sim, na verdade eu ainda não vi o produto final, mas pelas curtas cenas que vi, as personagens movem-se maravilhosamente. Espero que toda a gente o veja nos cinemas! As cenas com o ataque combo de All Might e Deku, que não chegaram a ser colocadas no manga, são também um ponto de interesse!

E: Uma vez que isto acontece antes de All Might perder o seu poder no manga, o ataque com Deku é algo que você não pode escrever mais no manga.

KH: Sim, os eventos do filme acontecem antes da batalha com All For One, então quero que toda a gente seja capaz de ver e ansiar por isto uma vez que não serão capaz de ver o seu duo ataque no manga.

 

 

 

QUATRO QUESTÕES E RESPOSTAS CUIDADOSAMENTE SELECCIONADAS

E: Para promover o filme, houve um hashtag no Twitter onde os usuários podiam perguntar-lhe algo e estas são quatro questões que esperamos que consiga responder-nos.

KH: Ah, estas foram as quatro escolhidas? Apesar de termos planeado isto, eu acreditei mesmo que queria dizer que tínhamos recebido apenas quatro questões (risos).

E: Recebemos tantas questões, foram muito além das 100 (risos). Vamos então avançar para a primeira questão. “Existem algumas atividades de clube na U.A. Academy?” e “Se sim, em que tipo de atividades participariam os estudantes da Class 1-A?”

KH: A U.A. Academy tem os departamentos de Estudos Gerais e Economia, então haveriam atividades de clube. Contudo aqueles que estão no departamento de Heróis não entrariam nesses clubes. Eles podiam claro, entrar se quisessem, mas eu não acho que teriam tempo para isso. Contudo, talvez Shinsou, estudante dos Estudos Gerias, pudesse estar envolvido e poderá haver um pouco sobre atividades de clube na história principal no futuro.

E: Por exemplo, de que tipo de atividade de clube acha que Deku ou Katsuki fariam parte?

KH: O Deku provavelmente estaria em algum tipo de clube de análise de filmes. O Katsuki estaria… Eu não sei, talvez Clube de Discussão? (Nota: Ele disse especificamente DISCUSSÃO e não Debate lol).

E: Não acha que ele estaria num clube de boxe? (risos)

KH: Eu penso que ele iria odiar regras e provavelmente boxe não é a cena dele. Para começar, talvez ele nem sequer estaria num clube.

E: Okay, passemos à próxima questão: “Na série e mundo, as personagens de BNHA parecem reais e têm emoções muito humanas. Houve alguma das suas experiências pessoais que escreveu na história?” Já existiram instâncias específicas onde a sua própria experiência pessoal influenciou parte das cenas ou guião da história?

KH: Oh wow, existem demasiadas para contar. Por exemplo no volume 11, quando Deku era mais novo, ele e a sua mãe tiveram uma cena juntos [onde a mãe de Deku diz, “Ajudem-me!” e Deku diz “Eu estou aqui!”] Eu costumava fazer precisamente a mesma coisa com a minha mãe quando era mais novo e nos brincávamos no parque infantil. Chamávamos-lhe o “Rei da Selva”. A minha mãe ia para o interior do ‘jungle gym’ (Trepa-trepa ou gaiola gínica) e dizia, “Por favor salva-me, Leo” o qual era o nome que eu costumava chamar a mim mesmo quando brincávamos juntos.

Eu tenho essa memória de fingir ser Leo e brincar com a minha mãe no parque, então eu quis incorporar isso na história. Como leitor, é provavelmente uma cena que não tem muito significado, mas, para mim, eu chorei enquanto escrevia essa cena.

 

 

E: Então o Horikoshi-sensei incorpora mesmo as suas próprias experiências na história de Boku No Hero Academia.

KH: Sim, eu suponho que sim. Outra experiência que coloquei na história foi no Volume 16 onde descobrem sobre Tamaki ser transferido entre escolas.

E: Tamaki foi transferido de outra escola e não estava acostumado à sua nova turma, mas rapidamente se torna bom amigo de Mirio, o qual o ajudou a sentir-se incluído.

KH: Mesmo antes de entrar na escolaridade básica, mas depois da escola primária, acabei por ir para uma escola básica fora da minha vizinhança. Uma vez que esta escola era fora de onde eu fui à escola primária, eu não conhecia ninguém. Todos os outros já estavam nos seus próprios grupos e se conheciam, mas eu era um solitário e foi uma altura realmente triste para mim (risos).

E: Então para si, um amigo como Mirio estava lá para ajudar.

KH: Sim, ele disse-me, “tu não és uma má pessoa de todo” e foi o tal que me fez sentir incluído. Man, quando eu digo isto agora soa um bocado estúpido, né? (risos)

E: De maneira nenhuma!!!

KH: Esperançosamante, fãs de Tamaki não vão desgostar deste pedaço de informação, com uma impressão de “Oh esta é na verdade uma memória de Horikoshi”, ou algo do género. Contudo, isto é basicamente como eu uso as minhas experiências próprias para adicionar às minhas personagens e os meus sentimentos simplesmente transbordam para a história.

E: Vamos passar à terceira questão: “Se tivesse esta quirk, iria definitivamente querer usá-la!” Qual quirk seria essa e como você iria querer usá-la?

KH: Definitivamente a de Todoroki. Eu odeio locais quentes e quando as coisas ficam quentes eu quero imediatamente refrescar-me. Quando desenho Todoroki, penso frequentemente “Seria bom ter esta quirk.”

E: Essa é uma resposta bastante prática (risos). Aqui está a última questão: “Por favor deixe-nos saber a razão pela qual decidiu tornar-se mangaka.”

KH: Desde que era pequeno que adoro desenhar e, se pensarem numa indústria que permite desenhar, não há mais nada para além de manga, então eu decidi tornar-me um artista manga. Para contar um incidente específico que ocorreu, quando eu estava na escola primária, o manga “Megaman X2” foi lançado e eu adorava desenhar a personagem chamada Crystal Snail. Os meus amigos elogiaram-me os desenhos e até me disseram “Por favor dá-me este desenho!” e isto fez-me realmente feliz. Naquela altura, eu não sei porquê, mas lembro-me de pensar “No futuro eu quero ser um artista manga!”

 

Mirio Togata e Tamaki Amajiki

 

ELE ESTÁ A DESENHAR CONTEÚDO QUE TERÁ SIGNIFICADO NO ÚLTIMO ARC

E: Bom, então para terminar, por favor fale-nos um pouco mais sobre a expansão do universo de “Boku No Hero Academia”. Anteriormente no SUGOI JAPAN, mencionou que gostaria que Boku No Hero Academia fosse uma curta e concisa história e não prolongada. Mas que percentagem da história está completa neste momento?

KH: Quando a decisão de estender a série aconteceu, eu pessoalmente pensei “Eu acho que quero terminá-la aqui” e era por volta do Volume 30.

E: Então você tem 2/3 da história feita?

KH: Isso era o que tinha originalmente planeado, mas quando penso em todas as coisas que têm que ser estabelecidas antes de chegar ao último arc, apercebi-me “Terminar a série no Volume 30 será impossível” (risos). Contudo, o arc que está a ser escrito atualmente tem propósito que será relevante no último arc.

E: Mencionou nesta entrevista que o “Internship Arc” tem uma personagem muito importante que queria desenhar no final. Quer isso dizer que todas as personagens se vão juntar no último arc?

KH: Todas as personagem se vão juntar e avançar para o último arc. Contudo, de momento não estamos sequer perto da última batalha, mas eu tenho uma ideia de como eu quero que seja planeada.

E: O Volume 19 cobre o Festival Cultural e existem várias cenas brilhantes, mas por favor dê-nos uma mensagem no que concerne o pontos de interesse do mais recente volume.

KH: O Festival Cultural coloca um holofote sob a Jirou das raparigas da Class A, e eu tive a consciência de garantir que ela tenha um monte de caras fofas ao desenhá-la. Claro, fãs da Jirou vão adorar isto, mas espero que outros desfrutem também da Jirou neste arc!

 

 

Fonte: ☆オードリーAudrey☆  (Twitter)

 


Boku no Hero Academia – Artigos Relacionados

My Hero One’s Justice – Artigos Relacionados


 

Se estiverem interessados em adquirir os volumes do manga, aqui têm acesso à melhor forma de os adquirir, em Inglês:

>> Volume #1 – Lançado a 4 de agosto de 2015 (capítulos 001-007)

>> Volume #2 – Lançado a 3 de novembro de 2015 (capítulos 008-017)

>> Volume #3 – Lançado a 25 de fevereiro de 2016 (capítulos 018-026)

>> Volume #4 – Lançado a 19 de maio de 2016 (capítulos 027-035)

>> Volume #5 – Lançado a 2 de agosto de 2016 (capítulos 036-044)

>> Volume #6 – Lançado a 1 de novembro de 2016 (capítulos 045-053)

>> Volume #7 – Lançado a 23 de fevereiro de 2017 (capítulos 054-62)

>> Volume #8 – Lançado a 2 de maio de 2017 (capítulos 063-071)

>> Volume #9 – Lançado a 24 de agosto de 2017 (capítulos 072-080)

>> Volume #10 – Lançado a 7 de novembro de 2017 (081-089)

>> Volume #11 – Lançado a 6 de fevereiro de 2018 (090-099)

>> Volume #12 – Lançado a 19 de abril de 2018 (100-108)

>> Volume #13 – Lançado a 28 de junho de 2018 (109-117)

 

0 comentário

Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.