Entrevista a Mamoru Hosoda – Realizador por detrás de Mirai

por Usagi Wright
Entrevista a Mamoru Hosoda - Realizador por detrás de Mirai

Mamoru Hosoda rapidamente se tornou num dos cineastas japoneses mais conhecidos do mundo.

Ele é conhecido mais pelos seus filmes originais, como The Girl Who Leapt Through Time, Summer Wars, Wolf Children, The Boy and The Beast, no entanto também chamou a atenção como diretor bem antes destes. Hosoda iniciou a sua carreira na Toei Animation e dirigiu vários episódios de anime, incluindo Digimon, Sailor Moon e One Piece. O seu trabalho nos filmes de Digimon atraiu a atenção do lendário produtor de Ghibli, Toshio Suzuki, porém depois de um curto período no Studio Ghibli, Mamoru Hosoda decidiu seguir o seu próprio caminho e dirigir filmes originais.

O mais recente projeto do diretor é o filme Mirai, uma história sobre uma criança de quatro anos a experienciar a chegada da irmã mais nova, recém-nascida. Mamoru Hosoda sempre foi honesto e transparente sobre até que ponto os filmes se baseiam na sua vida pessoal, mas Mirai pode ser o seu filme mais autobiográfico até então. A história é baseada diretamente nas suas experiências como pai de crianças pequenas.

 

Entrevista a Mamoru Hosoda – Realizador por detrás de Mirai

Entrevista a Mamoru Hosoda - Realizador por detrás de Mirai

A tradução desta entrevista é apenas possível graças ao trabalho de Kim Morrissy e Callum May, que a realizaram e disponibilizaram através do site Anime News Network.

 

Antes de iniciar a entrevista têm de ter em mente que a mesma foi realizada em Novembro de 2018.

 

Anime News Network (ANN): Houve recentemente uma exposição em Londres a mostrar o seu trabalho. É a primeira vez que algo assim acontece no Reino Unido. Como se sente ao obter a sua própria exposição fora do Japão?

Mamoru Hosoda (MH): Londres é um lugar que admiro porque estudei arte ocidental na faculdade. Eles têm muitos bons museus e eu já estive neles muitas vezes, como a National Gallery e a Tate Modern. Então Londres é uma cidade que tem altos padrões no que toca a arte. E pensar que houve uma exposição a mostrar o meu trabalho… é uma honra.

 

ANN: Viaja regularmente para fora do Japão e interage com pessoas de todo o mundo. Como integra as suas experiências nos filmes?

MH: Sim, esta é verdadeiramente uma experiência significativa. Ter pessoas não só do Japão, mas do mundo, para ver o meu filme e falar com essas pessoas depois disso é muito importante. O filme é uma ferramenta de comunicação; Eu não estou a fazer filmes para mostrar aos meus amigos. Eu acredito que existem filmes para se comunicar com pessoas muito longe de nós. Isto vale para as pessoas que fazem filmes e assistem a filmes. É por isso que interagir com as pessoas ao redor do mundo é muito importante e às vezes encontro alguém que me daria uma opinião que eu nunca teria pensado. Ou eu encontraria muitos jornalistas interessantes que desenhariam os meus pensamentos que são novos e refrescantes. É por isso que as pessoas verem os meus filmes em todo o mundo… é muito importante; Quero usar essa experiência e integrá-la no meu próximo filme.

 

ANN: Procurou profissionais fora da indústria de anime para projetar certos aspetos do Mirai, como o arquiteto Makoto Tanijiri. Por que procurou esse tipo de pessoa e que tipo de perspetiva eles trouxeram para o filme?

MH: Isso foi realmente por uma razão conceptual. Normalmente, quando estamos a criar ficção, pergunta-se a um diretor de arte o que se destaca na ficção. No meu caso, trabalho com o Anri Jojo há muito tempo. Mas para este filme, os personagens principais são baseados nos meus filhos. Eles realmente existem e não são fictícios. É por isso que a casa, o comboio rápido, a motocicleta e os livros ilustrados tiveram que ser projetados por pessoas que realmente os fazem na vida real. Eu queria que eles se sentissem autênticos. Conceptualmente, achei que se encaixaria melhor. E foi perfeito.

 

ANN: Trabalha regularmente com alguns animadores de topo nos seus filmes, mas a estrutura da equipa do Mirai é um pouco diferente desta vez. Takaaki Yamashita está a fazer genga settei em vez de supervisão de animação e Toshiyuki Inoue não fez a animação chave no filme, por exemplo. Como a sua equipa de animação se adaptou a estas mudanças?

MH: Eu acho que animadores são atores. Por isso, penso em mim mesmo como animador de casting para fazer os trabalhos que lhes cabem. Então não é como se eu sempre tivesse as mesmas pessoas a fazer o mesmo trabalho, mas ao invés disso ajusto-me ao conteúdo do filme. Para este filme, a supervisão de animação é feita por Hiroyuki Aoyama e Ayako Hata. Eles têm diferentes sobrenomes, mas na verdade são casados. E porque eles são casados, eles foram capazes de descrever o que eles fizeram em Mirai. Para um casal, supervisores de animação não foram feitos desde Tatsunoko Taro (Taro the Dragon Boy). Acho que foi lançado por volta de 1980? Sim, faz muito tempo, e o Tatsunoko foi feito por Yôichi Kotabe e Reiko Okuyama. Estes dois também trabalham sob diferentes sobrenomes, mas eles eram casados. Então, escolher Aoyama e Hata foi um “acenar com a cabeça” para algo que aconteceu no passado.

 

Mirai no Mirai - Salas, Versões e Tempo de Exibição

 

ANN: Mirai é o segundo filme que escreveu sem a colaboração de Satoko Okudera. Como acha que cresceu ou mudou como escritor desde que foi a solo?

MH: Para o Mirai, já que é baseado nos meus filhos… é um filme muito pessoal, achei que seria difícil ter alguém a escrevê-lo. Foi por isso que eu mesmo o escrevi. Mesmo quando tenho outra pessoa a escrever o guião, eu reescrevo nas minhas próprias palavras para fazer um storyboard. Quando escrevo, escrevo o guião e tento torná-lo o mais completo possível antes de fazer um storyboard, como em… Eu tento ser guionista quando estou a escrever um guião. Em seguida, faça a transição em ser um diretor quando faço um storyboard.

 

ANN: Os filmes são frequentemente chamados de “filmes de família”. Preocupa-se em ser rotulado como cineasta? Que tipo de temas diria que acha mais interessante explorar?

MH: Para mim, estou mais interessado em retratar a mudança de crianças. A mudança e crescimento das crianças. As crianças são o foco. Mas quando retratamos crianças, consequentemente retratamos as pessoas ao seu redor, que são as suas famílias. Talvez seja por isso que as pessoas pensam nos meus filmes como “filmes para a família”. Mas não penso em mim desse modo. Mas quando tentamos escrever uma história sobre alguém, a família dessa pessoa não desempenha um papel em quem essa pessoa é? E quando não incluímos a família dessa pessoa, isso realmente significa que escrevemos sobre essa pessoa? Acho que não.

 

ANN: As produções de anime são geralmente bastante infames por não seguirem o cronograma, então como conseguiu consistentemente terminar um filme a cada três anos?

MH: Oh meu Deus, do que fala? Nós mal conseguimos fazer a tempo! A sério… o filme mais recente que foi arriscado foi Boy and the Beast. Havia muita coisa contida na história, mas não tínhamos tempo e era uma loucura. Tentamos aprender com essa experiência e, para o Mirai, nóss demo-nos mais tempo, e era pouco, então pensamos que seria fácil, mas… também não foi feito a tempo. Nós quase sempre não conseguimos. Não importa qual seja a circunstância, é sempre apertado…“(risos)” Ou melhor, “(soluço)”. [Nota do tradutor: ele realmente disse: “parênteses rir” “parênteses chorar”].

 

ANN: Como garante o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal dos seus funcionários no Studio Chizu?

MH: Eu tento convencer os funcionários que trabalho é vida! Estou a brincar. Não posso fazer isso… então… hmm. Bem, historicamente falando, o anime foi criado com esse valor, que o trabalho é vida e vice-versa, mas, se continuarmos, isto afeta a qualidade do trabalho. Você será capaz de dizer que os criadores estão a esgotar-se. Então eu acho que seria bom se todos pudessem descobrir o que é importante nas suas vidas e manifestar isso no seu trabalho. Então, para isso, é necessário o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Não podemos continuar a pensar que quem trabalha mais e durante mais tempo é o melhor. Estes valores simplesmente não funcionam mais. Embora… então, e se não cumprirmos os prazos? Isso não seria bom ^_^; [Nota do tradutor: ele realmente pediu para incluir um kaomoji].

 

Mirai no Mirai - Filme de Hosoda revela Estreia em Teaser | MIRAI - Filme de Hosoda chega a PORTUGAL em 2019

 

ANN: Noutras entrevistas, mencionou que existem mais pessoas na indústria de anime a trabalhar em casa hoje em dia. Acha que isso afetará o problema do excesso de trabalho na indústria de anime?

MH: Hmm. Eu acho que isso dependeria da situação do projeto. Se um projeto tem tempo e orçamento, talvez seja possível, mas… eu não sei. E não é como se um bom animador pudesse escolher um projeto que tenha condições favoráveis. Nesse sentido, realmente depende do projeto. Anime e a questão do excesso de trabalho não são tão simples. Não é como se lhes dessem mais tempo, os animadores não trabalhariam demais. É sobre como eles exploram a sua criatividade. E talvez alguns animadores trabalhem melhor com mais tempo e outros não. Tudo se resume à personalidade, decisões, tendência do animador.

 

ANN: Disse anteriormente que queria criar um filme completo em CG com a Digital Frontier. Isso ainda é algo que quer fazer?

MH: Estou a utilizar mais CG em todos os filmes que lancei. Alguns podem pensar que estou a usar menos CG em Mirai em comparação com Boy and the Beast, mas na verdade estou a utilizar mais. Portanto, o próximo filme provavelmente usará mais e, talvez, eventualmente, os meus filmes fiquem em CG algum dia. Isto pode ser uma coisa boa ou não.

 

ANN: Recentemente, houve uma onda de filmes de anime a serem lançados no Japão e no mundo. Onde vê o futuro dos filmes de anime?

MH: Eu acho que as possibilidades do anime são infinitas. Existem anime feitos para crianças, anime feitos para fãs, anime feitos para jovens adultos… existem muitos géneros. E entre estas possibilidades, o que pretendo é fazer filmes que possam ser apreciados em vários países por públicos de todas as idades. Algo que eles podem assistir e achar interessante. E eu quero fazer isso utilizando o meio da animação. Quando digo isto, recebo comentários como “Então, por que não fazer isso com filmes live action?” ou “Não, o anime é realmente para pessoas que gostam de animação”. Mas não quero pensar dessa maneira. Quero explorar e expandir as possibilidades do que a animação pode fazer. Quero desafiar vários temas e personagens que não foram retratados em animação antes. E acredito que esse modo de pensar abrirá o futuro da animação. Este filme, Mirai, tem uma criança de quatro anos como protagonista e isso foi um desafio, e eu sei que, portanto, a Mirai abrirá o Mirai. [Nota do tradutor: esta última parte é um trocadilho japonês, já que Mirai significa futuro].

 

Mirai no Mirai - Filme de Hosoda revela Novo Trailer

 


Gostaram desta entrevista? Vejam mais artigos semelhantes:

Entrevistas


 

The Art of Spirited Away

 

Fonte: Anime News Network

 

0 comentário

Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.