Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai Análise – O Fundo

por António Costa
Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai Análise

Se há alguma coisa que eu possa dizer sobre o meu editor no ptAnime (e muitas coisas positivas poderia dizer) é que ele nunca me limitou criativamente.

Tirando a regra de não poder incluir nada 18+, nunca recebi uma única nota relativamente a conteúdo. Digo isto, porque este mês eu fiz-lhe duas sugestões do que eu poderia analisar.

Uma foi “The Vision of Escaflowne”, uma anime clássica e muito conceituada. Vi uns episódios e achei a história interessante, a animação excelente e a música incrível. Se tivesse acabado de ver a série, talvez até fosse uma das minhas melhores analises.

Em vez disso, escolhi a outra solução. A lição aqui é que uma mão ditatorial nem sempre é má ideia.

 

Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai Análise

 

Mas o que é esta criatura afinal?

Agora que sabem o contexto para a existência desta análise, podem estar a perguntar-se mas que raio é esta série afinal?

Ao contrário de outros animes em que eu teria que fazer um resumo vago e ao mesmo tempo detalhado dos acontecimentos do enredo, aqui tenho trabalho poupado porque posso simplesmente dirigi-los ao título.

“Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai”, traduzido, fica qualquer do género:

Eu Quero que Faças Uma Cara Enojada e que me Mostres as Tuas Cuecas

 

Essa é a série. A série inteira.

Por isso, vamos discutir.

 

IyaKao Análise | Discussão? A sério?

Podendo não parecer, sim há aqui um ponto de discussão. Aliás vários pontos de discussão.

A série consiste em 6 episódios, cada um com 5 minutos e todos obedecem à mesma fórmula.

– Protagonista mudo tem uma rapariga à sua volta que obedece a um cliché/ fetiche;

– Rapariga é simpática inicialmente;

– Conversa inevitavelmente vai parar ao assunto de favores;

– Protagonista sugere que a rapariga mostre as cuecas;

– Rapariga está relutante mas acaba por fazê-lo;

– Rapariga mostra cuecas e faz um ar de desprezo para com o protagonista.

 

Agora, a parte interessante é que a estrutura pode ser sempre igual, mas são os detalhes que modificam tudo.

O protagonista desta série (assumindo que é sempre a mesma pessoa, que é o que eu vou fazer) tem uma relação complexa com as mulheres à sua volta. A indicação é que ele já conhece a maior parte delas antes do episódio começar e, pelo que vimos, parece dar-se bem com elas.

Aliás, segundo a Sacerdotisa do 5º Episódio, eles até são amigos de infância. Existem precedentes ali e na maior parte dos casos vemos um certo interesse amoroso potencial. A Sacerdotisa tem obviamente uma pequena queda por ele, a Enfermeira também parece um pouco interessada e a Ídolo (se ele jogasse bem as suas cartas) poderia totalmente tornar-se algo. Mas em todas as ocasiões, ele deita fora essa boa vontade em nome de 1 minuto de prazer. Porquê?

Se olharmos para isto de forma realista, é possível que seja porque a maior parte das pessoas que estão a ver esta série são otakus anti-sociais, incapazes de comunicar o que quer que seja com o que tenha uma forma vagamente feminina, portanto a ideia de mulheres a olharem para eles com um ar de desprezo deve ser bastante típica.

Mas, ao analisar de forma mais profunda, um fio narrativo interessante apresenta-se e começa a formar-se uma história acerca de um homem confuso que está a tentar simplesmente viver a sua vida.

Os episódios incluem duas figuras religiosas diferentes: uma freira e uma sacerdotisa da religião shinto.

Todos nós sabemos que é impossível pertencer a duas religiões ao mesmo tempo e, pelo aspeto da coisa, em ambas as situações ele está envolvido a fundo. Outra coisa que também conseguimos determinar é que ele conhece a sacerdotisa desde que são crianças, portanto a ordem sequencial lógica será que ele primeiro fez parte da religião Shinto e depois da religião cristã. Porquê? O que é que empurrou este homem a perder a sua fé e a trocar?

E isto sem falar das outras figuras no meio. Cada episódio tem a sua própria rapariga e seguem esta ordem:

  1. Maid;
  2. Ídolo;
  3. Enfermeira;
  4. Freira;
  5. Sacerdotisa Shinto;
  6. Schoolgirl.

Mas cronologicamente, eu diria, que as coisas são mais assim:

  1. Schoolgirl;
  2. Sacerdotisa Shinto;
  3. Ídolo;
  4. Enfermeira;
  5. Freira;
  6. Maid.

Temos alguns momentos indiferenciados, como a Enfermeira que pode ter aparecido a qualquer altura e a Ídolo que pode ter acontecido algures entre a Schoolgirl e a Sacerdotisa. Raramente vemos este tipo de sequenciação cronológica numa série, em que não vemos as coisas na ordem correta, mas é uma escolha arrojada e que eleva, em teoria, a anime.

Na prática, esta série é diversas combinações de sexista, cínica e degradante, um produto feito para enganar pessoas solitárias e desesperadas e roubar-lhes o dinheiro. A sua atitude é odiosa, implicando que o único tipo de pessoa que comprasse esta porcaria deve ter claros problemas em lidar com mulheres, e talvez a parte mais depressiva desta pilha de dejetos é que nem sei bem se não têm razão.

Não é sexy e não é divertido. É só humilhante.

Agora, a parte técnica.

 

IyaKao Análise | As Tecnicalidades

A animação desta coisa é lixo. Para episódios de apenas 5 minutos, temos vários erros de produção, desde animação torta, a coisas desenhadas “off model” e até erros na colorização.

 

Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai Análise

A luz naquele dedo está a dar-me um ataque epiléptico.

 

Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai Análise

Eu recuso-me a acreditar que uma série de episódios de 5 minutos, não consegue desenhar uma coisa direita. A sério, isto em movimento parece que foi o projeto de um estudante feito na noite antes da entrega

 

Iya na Kao sare nagara Opantsu Misete Moraitai Análise

PORQUE É QUE O OLHO ESQUERDO ESTÁ LIGEIRAMENTE ABAIXO THO

 

A única coisa que passa ilesa, são as imagens das garotas a mostrar as cuecas que, verdade seja dita, são até bastante detalhadas. Também são absolutamente repugnantes, mas com esta série eu agarro nas minhas vitórias onde posso.

O som é igualmente lixo. Toda a gente soa medíocre, com a exceção da Ídolo que soa como se alguém estivesse a lixar os meus tímpanos com uma lima para as unhas. A banda sonora é genérica demais para palavras, o que também se aplica à música terrível que a Ídolo canta (que eu estou quase convencido que foi cantada por outra pessoa, porque soa completamente diferente).

 

IyaKao Análise | Conclusão

É lixo, basura, garbage, poubel, spazzatura, gunoi, bruscar, szemét, roska, plehra, smeće, affald, uitschot, कचरा, thoob khib nyiab e, visto que estamos num site de anime, ごみ.

Mais alguma pergunta?

 

 

0 comentário


Loading...

Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.