Japão – Revender Máscaras pode dar até 5 Anos de Prisão

por Cátia Coelho
Japão - Revender Máscaras pode dar até 5 Anos de Prisão

A crise em volta do coronavírus fez das máscaras cirúrgicas a mercadoria mais cobiçada no Japão. Os vendedores começaram a publicar avisos na entrada das lojas informando que as mesmas se encontram esgotadas e a situação ficou grave ao ponto de existirem roubos e conflitos para obter as tais máscaras. Contudo, como se veio a verificar, o objetivo destas pessoas é o revender estes utensílios por um preço bastante mais elevado, online.

O governo japonês está prestes a terminar com a revendas de máscaras, podendo aplicar longas penas de prisão a todos aqueles que ignorarem esta restrição.

 

Japão – Revender Máscaras pode dar até 5 Anos de Prisão

Japão - Máscaras imagem v1 coronavirus

Créditos: AFP

 

Esta semana, o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar ordenou que os fabricantes e importadores de máscaras lhes vendessem quatro milhões, para que o órgão público as distribua às famílias das cidades de Nakafurano e Kitami, em Hokkaido – duas comunidades de alto risco. A ordem foi emitida em conformidade com a Lei sobre Medidas de Emergência para Estabilizar as Condições de Vida do Público, que foi adotada como uma estrutura para estabilizar os preços após o choque do petróleo em 1973, mas só agora foi realmente utilizada para fornecer bens aos consumidores.

A lei também dá ao governo japonês a autoridade de proibir a revenda de máscaras, o que deverá ser aplicado na próxima semana. O artigo 26º da mesma lei estabelece que os revendedores serão multados em três milhões de ienes (cerca de 25 mil euros) ou que poderão ver aplicada uma pena de até cinco anos de prisão.

 

>> Para mais notícias sobre o Japão, cliquem AQUI!

 


Artigos Relacionados

Embaixada do Japão em Portugal emite Aviso sobre Coronavírus

Parasite – 1º Filme Coreano no Topo da Bilheteira do Japão em 15 anos

Kit Kat Japão lança Edição Limitada de Chocolate com Sakura


 

Fonte: Sora News 24
Imagem de destaque: Reuters

 

0 comentário


Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.