Koikimo – Análise

por Raquel Cupertino
Koikimo - Análise

Após escrever a minha opinião sobre o último episódio de Koikimo, senti necessidade de explicar sem spoilers tudo o que penso desta obra e dar, por fim, uma opinião final à mesma.

Não é uma série consensual, muito menos fora de série dentro do género, mas é um anime bom e com elementos muito interessantes que merecem uma reflexão e discussão. Como tal e sem mais demoras, eis a minha análise à série Koikimo ou Koi to Yobu ni wa Kimochi Warui.

 


Se já viste a série ou pretendes ver e quiseres ler opinião episódio a episódio:

Podes consultar AQUI todas as opiniões semanais de KoiKimo


 

Koikimo – Análise

O manga é pequeno e já há algum tempo que afirmo que esta adaptação anime iria cobrir na totalidade a obra original. O guião sempre foi rápido, eficiente, não perdia tempo com pausas desnecessárias ou personagens irrelevantes. Em boa verdade, nem o nome de algumas das melhores amigas de Ichika sabemos!

Não penso que seja negativo, atenção. A fórmula foge muito ao típico romance onde temos o casal principal e uma série de amigos do casal principal cuja história dos mesmos é desenvolvida em paralelo “preenchendo” dessa forma o espaço narrativo e emocional da obra. Tal não acontece em Koi to Yobu ni wa Kimochi Warui.

 

Koikimo - Análise

 

Temos dois protagonistas, um melhor amigo de cada um dos lados e um rival amoroso para cada um deles. And that’s it. Tudo gira em torno de Ichika e Ryou, os problemas, peripécias e resoluções. A nossa atenção não é desviada para outras personagens, não acabamos por gostar ou querer saber mais sobre x ou y relação que não a principal porque nada é explorado além do básico. Esse sentimento de foco torna Koikimo numa obra diferente e objetiva.

Claro que há personagens como Rio, Masuda e Tamaru que nos dão vontade de saber mais, mas fosse esse o problema…

 

Koikimo Análise

Rio – The Best Girl

 

O que não gostei assim tanto…

Sei que quando esta série foi lançada um burburinho sobre assédio e sobre a questão de uma personagem ser menor pairou sobre a mesma. As ações de Ryou são censuráveis e, fora do contexto anime japonês, nem sequer são possíveis na realidade. Mas trata-se de um anime, e trata-se do Japão. Após dois episódios o “creepy” Ryou passou a ser apenas engraçado dado que a própria irmã estava de olho nele caso este fizesse algo que passasse os limites. A série passou assim a ser um conjunto de dates e aproximações consensuais por parte da protagonista.

 

Koikimo - Análise

 

O que realmente me causou comichão foi o final. Não porque não gostasse da forma como tudo terminou – não se enganem, eu amo happy endings – mas porque terminou.

A história começou como uma comédia, depois ficou comédia romântica e terminou como drama romântico. Os protagonistas começaram a adquirir personalidade, sonhos e ambições… e acaba antes mesmo de desenvolvê-los. Tendo em conta que abordaram temas como futuro profissional, casamento com idades dispares, ida para a universidade, “homem bonito e bem-sucedido” à espera da amada, não seria razoável desenvolver a partir daqui?

 

 

It started with a kiss (Itazura na Kiss) e Lovely Complex são dois exemplos de obras com dois (ou mais) cours em que o primeiro é comédia e apresentação de personagens e a partir daí seguem os protagonistas já juntos (vida adulta ou final da adolescência). Desta forma conseguem acompanhar: a entrada na universidade e todo o processo para (o stress dos exames e candidaturas), os típicos part-time jobs, a vida na universidade e, até, o casamento!

Há obras que não precisam desse desfecho como Horimiya, por exemplo, a escrita foi conclusiva e não introdutória, quando termina o anime/manga, ficamos tristes mas satisfeitos. Aqui, nem tanto…

A história termina quando ainda está a aquecer. Não sentimos que haja um derradeiro desfecho da “história”, apenas que o casal está junto. Se a história continuasse a desenvolver os pontos que começou: relação com grandes diferenças de idade; o futuro profissional dos jovens e as relações familiares da família Amakusa; Koikimo poderia se tornar num seinen belíssimo sobre a vida e a transição entre adolescência e vida adulta com elementos já na vida adulta a contrastar com o jovens de 17-18 anos.

 

Koi to Yobu ni wa Kimochi Warui anime opinião

Tamaru – The Best Boy

 

Koikimo Análise

Juízo Final

Em suma, é um anime agradável para assistir e com personagens muito interessantes. Todos eles fogem do estereótipo habitual dos shoujos ou demais romances. Temos conversas de se tirar o chapéu onde temos um vislumbre das diferentes perspetivas da mesma relação.

O foco acabou por ser a relação entre duas pessoas de idades muito diferentes (gap de 10 anos), com os prós e contras a serem abordados de uma forma direta e sem florzinhas.

Pode não ser o melhor romance escrito mas é com certeza uma boa série para assistirem, sem comprometimento, sem grandes dramas ou dores de cabeça. Se forem como eu que odeiam triângulos amorosos podem ficar descansados que aqui os personagens são tão fixes, pragmáticos e diretos que nem chega a haver drama! Em boa verdade até acabam por torcer para que os personagens secundários tenham todos um final feliz por serem tão badass!

Espero que a minha análise vos tenha ajudado a decidir se devem ou não assistir a esta série! Deixem nos comentários a vossa opinião!

 

0 comentário


Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.