Madan no Ou to Vanadis | Análise

por Renato Sousa
Madan no Ou to Vanadis
As primeiras impressões a Madan no Ou to Vanadis deixaram-me de pé atrás tendo em conta o que se passou na parte inicial da série. Um arranque no qual está englobada a combinação dos géneros ação/aventura & ecchi/harem, que muitas vezes funcionam em pleno mas que nesta produção pareciam estar…

Madan no Ou to Vanadis

Enredo - 6.5
Personagens - 6
Produção Visual - 7.6
Banda Sonora - 7.7

7

Bom

Uma história que precisava claramente do dobro dos episódios para ter outro tipo de impacto no universo anime.

Avaliação dos Leitores do ptAnime: 4.7 ( 2 votos)
7

As primeiras impressões a Madan no Ou to Vanadis deixaram-me de pé atrás tendo em conta o que se passou na parte inicial da série. Um arranque no qual está englobada a combinação dos géneros ação/aventura & ecchi/harem, que muitas vezes funcionam em pleno mas que nesta produção pareciam estar a retirar interesse aos grandes acontecimentos adaptados do light novel original.

Treze episódios depois, a história atinge o seu fim e a verdade é que as dúvidas e os receios levantados nas primeiras impressões da obra prevaleceram. Vamos perceber porquê!

 

Madan no Ou to Vanadis

 

Madan no Ou to Vanadis | Uma história demasiado acelerada!

A parte mais importante de uma obra é por norma o enredo e as personagens que o acompanham! A banda sonora e os ambientes elaborados têm todo o seu valor mas acabam por funcionar mais como elementos adicionais que complementam a obra e a conseguem valorizar ainda mais nas alturas em que denotam grande qualidade.

Acontece que Madan no Ou to Vanadis teve desde início um grave problema: a falta de tempo! Não li o light novel que deu origem a esta adaptação, pelo que nem sequer sei com que nível de fidelidade a obra foi transformada em anime. Sei apenas que episódio após episódio tudo estava a acontecer muito rápido. A transição de batalhas, os diálogos dos principais intervenientes e a exploração de personagens que infelizmente quase nem existiu.

A história em si (previamente apresentada) resume-se às aventuras de Vorn Tigrevurmud e da War Maiden que o acompanha, Eleanor “Ellen” Vertalia, numa luta acesa contra o Duke Thernadier. Creio que “resumir” seja mesmo a palavra mais indicada depois dos argumentos apresentados em cima. Note-se que até Thernadier, o grande antagonista, mal aparece em cena.

Perante esta situação, fica claro que se o anime tivesse mais um bom número de episódios, aí Madan no Ou to Vanadis teria outro impacto. As próprias War Maidens, que se não me falha a memória são sete, mal aparecem com exceção de Ellen, Ludmila Lourie e mais uma ou outra cuja aparição em cena foi mais rápida que o Flash do universo DC.

A sensação que fica é que tudo isto podia ser diferente … sente-se o valor da história, mas ele não é visível, visto que em torno de tudo isto está uma atraente conceção medieval que faz par com um clima de fantasia associado à presença das War Maidens: as ditas “Donzelas da Guerra”, cuja reputação nos campos de batalha faz concorrência aos mais bravos e talentosos guerreiros.

 

Madan no Ou to Vanadis

Tigrevurmud Vorn

 

Madan no Ou to Vanadis | Ambiente

De facto, o ambiente medieval e guerras inerentes que envolvem toda a história de Madan no Ou to Vanadis despertam qualquer adepto que se deixe fascinar por estes momentos que marcaram a história da Humanidade, pena é a velocidade a que os vários confrontos decorrem.

Um verdadeiro “caso bicudo”! Assim se pode definir esta adaptação, senão vejamos: a produção decidiu incluir durante as batalhas uma visão do género de um tabuleiro de xadrez onde explica os movimentos das várias tropas e grupos organizados que estão envolvidos na batalha. Uma bela ideia na minha humilde opinião pois ajuda a perceber muito bem o que se passa. Todavia, estas apresentações adicionais também retiram tempo às batalhas em si que por norma já é curto. Com circunstâncias destas torna-se realmente complicado agradar o espetador.

Sobre o opening e o ending, resta-me reforçar a ideia que já deixei no artigo das primeiras impressões, ou seja, estão muito bons, tanto ao nível musical como de animação. Já a banda sonora consegue apenas por vezes ir além do satisfatório.

Por falar em animação, a dita cuja fica ligeiramente abaixo da vertente musical. Com exceção de pequenos actos como é caso de quando os principais antagonistas e protagonistas da história usam os seus poderes mais fortes, pois aí a parte animada parece ir até ao mais pequeno dos detalhes, nos restantes momentos não nos “enche as medidas”.

 

Anime Madan no Ou to Vanadis

 

Madan no Ou to Vanadis | Juízo Final

Resumindo, Madan no Ou to Vanadis é uma produção que não é fácil recomendar ou desaconselhar a alguém, especialmente porque quase todos os seus pontos característicos têm algo de bom e, em simultâneo, se deixam inevitavelmente afetar por questões menos positivas como a do curto espaço de tempo concedido à trama.

No positivo, destaque para os ambientes medievais, para os vídeos das movimentações estratégicas durante as guerras, para os efeitos provocados pelos poderes das War Maidens e do arco de Tigre, que diga-se, estão muito bem desenvolvidos, e para a banda sonora da obra.

No negativo, o ritmo extremamente acelerado que a história teve de tomar ao resumir-se a treze episódios de transmissão que, como já foi explicado, acaba por afetar todos os parâmetros importantes de uma forma negativa, inclusive a presença das War Maidens e outras personagens que supostamente teriam mais relevo para o rumo dos acontecimentos. O próprio conjunto harem/ecchi, que na estreia da série dava a ideia de ser um ponto muito focado, a certa altura praticamente desapareceu.

Para terminar, a história de Madan no Ou to Vanadis é digna da vossa atenção, principalmente caso gostem deste género de séries que misturam guerras e “criaturas” com poderes mágicos e sobrenaturais. Já a adaptação em si parece ter condicionado muito aquilo que poderia ter sido uma produção de grande sucesso caso o tempo concedido à trama tivesse sido mais alargado. Apesar desta falha suprema, o anime vê-se bem, isto é, não é “maçudo” para o espetador, facto que também tem o seu valor logo, conceder-lhe uma oportunidade não será uma má opção de todo.

 

[youtube width=”560″ height=”315″ video_id=”TWhNpVbkdo0″]

 

0 comentário


Loading...

Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.