Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

por Cátia Coelho
Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente? Naruto Wallpaper

Quanto Custas à Indústria quando vês Anime Ilegalmente?

Através de um questionário criado pelo site GoBoiano, foi submetida por um leitor anónimo a seguinte e muito pertinente questão:

As pessoas intitulam-se como “fãs” de anime, queixam-se da má qualidade, das séries que não conseguem ter segundas temporadas e continuam a perguntar-se o porquê de conteúdo moe ou de ídolos (fracos) continuar a ser realizado. Podem dizer-me quanto dinheiro é perdido quando as pessoas vêem anime ilegalmente?

 

A resposta do site foi bastante detalhada. Acompanhem abaixo.

 

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

 

Olá Anónimo, eu não sei dizer exatamente quanto dinheiro está a ser perdido, mas podemos fazer algumas contas e tentar adivinhar.

Por uma questão de clareza, eu vou assumir que o torrenting é o mesmo que streaming online e que estes não se igualam com as vendas de DVD/Blu-Ray (visto que os espetadores ilegais podem facilmente comprar uma cópia física se gostarem da obra). Vou apenas concentrar-me na receita perdida para a indústria anime, quando os fãs vêem anime de forma ilegal.

Os números de licenciamento não são oficialmente publicados online, em nenhum lado. Isto é assim para que os estúdios e distribuidores não possam fixar preços por cada episódio de um anime novo em comparação com um de muito sucesso, alegando que o mesmo é o “novo Naruto” ou o “novo One Piece”. Esta tática concede à Netflix, Crunchyroll, Hulu e Anime Networks do mundo, a possibilidade de negociar melhores taxas (ou piores, se eles tiverem um mau negociador).

 

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

 

Aqui estão os dados da Netflix de alguém que fez uma estimativa aproximada de estatísticas publicadas online. Vamos supor que todos os serviços usam um modelo semelhante de pagamento por visualização e não uma taxa fixa ou outro modelo.

Vamos também dizer que um episódio de anime é como um episódio de TV (mas cortado ao meio, já que os episódios de anime são cerca de 20 minutos. Então cada um seria 0.0320€). Nós não sabemos se a Netflix paga a média, mais ou menos por anime e também não sabemos se os sites específicos desta área pagam melhor ou pior. Então vamos fazer uma estimativa baixa, uma média e uma alta para tentar medir o tanto que os criadores de anime perdem.

  • Estimativa Baixa: Metade de um típico episódio de 20 minutos da Netflix = 0.0164€
  • Estimativa Média: Um episódio típico de 20 minutos da Netflix = 0.0320€
  • Estimativa Alta: O dobro de um típico episódio de 20 minutos da Netflix = 0.0658€

 

Agora vamos olhar para as visualizações de alguns sites e estimar a receita!

 

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

 

Houve cerca de 4.4 milhões de visualizações de ERASED ou Boku Dake ga Inai Machi, até agora, através deste site de streaming de anime ilegal. Se aplicarmos a receita por visualizador, os criadores japoneses deste anime teriam ganho algures entre 72,815.00€ (mil) – 291,263.00€ (mil) se os espetadores tivesse visto o anime de forma legal.

 

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

 

Legenda da imagem convertida para Euro*:

  • Total de Visualizações – 4,423,093.00
  • Estimativa Baixa – 0.0164€ (por utilizador) – 72,815.00€ (total)
  • Estimativa Média – 0.0320€ (por utilizador) – 145,632.00€ (total)
  • Estimativa Alta – 0.0658€ (por utilizador) – 291,263.00€ (total)

* Os valores convertidos para Euro são aproximados.

 

Mas como ERASED é uma série recente, vamos ver com um dos mais populares: One Piece

 

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente?

 

Houve cerca de 62.4 milhões de visualizações de One Piece. Se aplicarmos a receita por espetador, os criadores japoneses teriam ganho algures entre 1,047,000.00€ (milhão) – 4,190,000.00€ (milhões).

 

Quanto Custas à Indústria quando Vês Anime Ilegalmente? Dados Estatística

 

Legenda da imagem convertida para Euro*:

  • Total de Visualizações – 62,359,335.00
  • Estimativa Baixa – 0.0164€ (por utilizador) – 1,047,000.00€ (total)
  • Estimativa Média – 0.0320€ (por utilizador) – 2,095,000.00€ (total)
  • Estimativa Alta – 0.0658€ (por utilizador) – 4,190,000.00€ (total)

* Os valores convertidos para Euro são aproximados.

 

Estes são dois animes bastante conhecidos, vamos então olhar para os dados de uma série menos famosa. Sakura Trick é um yuri que certas pessoas AMAM, mas que muitas outras não exploraram.

 

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente?

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente? Sakura Trick

 

Houve cerca de 1.07 milhões de visualizações de Sakura Trick. Se aplicarmos a receita por espetador, os criadores desta obra teriam ganho algures entre 18,003.00€ (mil) – 71,988.00€ (mil).

 

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente? Sakura Trick

 

Legenda da imagem convertida para Euro*:

  • Total de Visualizações – 1,071,978.00
  • Estimativa Baixa – 0.0164€ (por utilizador) – 18,003.00€ (total)
  • Estimativa Média – 0.0320€ (por utilizador) – 2,095,300.00€ (total)
  • Estimativa Alta – 0.0658€ (por utilizador) – 71,988.00€ (total)

* Os valores convertidos para Euro são aproximados.

 

Olhar para um anime individualmente é útil para estimar o impacto nos seus criadores, mas eu sei que as pessoas gostam de saber como isso afeta toda a indústria de anime. Não consigo obter dados precisos em cada site de streaming/torrent, contudo eu posso usar os dados do site que estávamos a analisar para descobrir uma estimativa aproximada.

Com a ajuda de um cientista de dados, fui capaz de encontrar o número estimado de pessoas que visitaram o site em janeiro de 2016.

 

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente?

 

Se assumirmos que cada pessoa neste site viu dois animes neste mês de janeiro e assistiu a 6 episódios por série, então: 2,183,177 pessoas * 2 animes * 6 episódios por série equivale a 26,198,124 visualizações por mês, que é cerca de 439,687.00€ (mil) – 1,757,000.00€ (milhão).

 

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente?

 

Legenda da imagem convertida para Euro*:

  • Total de Visualizações – 26,198,124.00
  • Estimativa Baixa – 0.0164€ (por utilizador) – 439,687.00€ (total)
  • Estimativa Média – 0.0320€ (por utilizador) – 879,240.00€ (total)
  • Estimativa Alta – 0.0658€ (por utilizador) – 1,757,000.00€ (total)

* Os valores convertidos para Euro são aproximados.

 

Isto é apenas em janeiro, por isso, se assumirmos que o site tem tráfego semelhante durante todo o ano, estamos a falar de algo entre 5,274,000.00€ (milhões) – 21,096,000.00€ (milhões). Se assumirmos que existem 6 outras saídas de streaming (possivelmente numa língua diferente do inglês, em torrents ou apenas um site diferente), em seguida, num ano a indústria perde entre 31,633,000.00€ (milhões) – 126,572,000.00€ (milhões) devido aos espetadores não verem anime pelas opções legais de visualização.

Se falarmos de mais de 5 anos, o prejuízo já rondará entre os 158,465,000.00€ (milhões) – 633,875,000.00€ (milhões).

 

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente? Kon gif

 

O orçamento médio de um anime é de 147,759€ (mil) por episódio. Se metade dos espetadores mudassem do streaming ilegal para o legal então falamos de 15,854,000.00€ (milhões) – 63,448,000.00€ (milhões) num ano que serviriam para financiar de 107 a 429 episódios ou entre 9 a 36 temporadas de anime.

Se falarmos em mais de 5 anos, então o valor já anda entre 79,326,000.00€ (milhões) – 317,177,000.00€ (milhões).

Então, basicamente, provavelmente haveriam mais animes, maior qualidade e, possivelmente, um pagamento para os animadores acima da linha da pobreza.

 

Quanto custas à indústria quando vês anime ilegalmente? Yato Noragami gif

 

Agora, isto são apenas estimativas muito gerais (as mesmas poderiam ser muito maiores ou menores), mas espero que isso ajude a pessoa anónima que perguntou e todas as pessoas que estão a ler este texto, a perceber que apesar de um espetador não parecer fazer diferença para a indústria, a junção de todos eles com o tempo traria uma enorme quantia de dinheiro.

Claro, caso não existam opções legais no vosso país então vocês não podem ajudar a indústria. Embora existam sites de streaming global como a Daisuki e a Netflix, que estão a mudar as coisas para melhor.

Para aqueles que querem entrar na onda do streaming legal, têm aqui uma lista em inglês dos sites onde tal é possível (vocês até podem repetir o mesmo episódio várias vezes, sem som. Ninguém irá saber e um animador, algures, vai-vos agradecer por isso).

 

Em Portugal temos o Crunchyroll,  um sistema online de vídeo, também conhecido por stream de vídeo, que aloja Anime/Manga e Doramas.

Sabe as condições e o funcionamento aqui:

Crunchyroll disponível em Portugal


Também deverás gostar de:

Prejuízo causado pela Pirataria atinge 2.5 biliões em 2014

Manglobe – Afinal o que aconteceu?

Indústria Anime – Porque é que Existem tantos Atrasos?

Relatório Indústria Anime 2016 – Conclusões


 

Fonte: GoBoiano

 

6 comentários


Também deverás gostar de

6 comentários

Leandro Santos 20 Dezembro, 2016 - 16:31

Isto é tudo muito lindo. E eu percebo as implicações que o ilegal tem para a indústria. Mas é os preços da edições BD? Já alguém parou para pensar no seu preço absurdo? Já alguém pensou que se eu quiser ver algo em pt-pt tenho muito poucas opções. E agora está melhor graças ao Netflix. O crunch seria uma opção viável se tivesse mais conteúdo em pt-pt..

Acho também que está indústria se queixa demais e por vezes parece fazer pouco para que algo mude. Convém olhar também para o seu umbigo antes de começar a falar

Responder
Cátia Coelho 21 Dezembro, 2016 - 23:26

Olá Leandro,

Sim, posso concordar que o preço de alguns Blu-Rays são caros sim, no entanto, existem muitas promoções destes artigos na Amazon. Temos como exemplo, uma edição especial de 25 anos de Akira que estava a 5€.
Tens toda a razão, são caros sim, mas existem sempre formas de contornar estes “obstáculos”.

Quando ao que falas da falta de conteúdo em pt-pt, a culpa não é da indústria, muito menos dos criadores. Nós ao usarmos a pirataria, prejudicamos os criadores sim, mas não é disto que depende existir material disponível na nossa língua. Os portugueses fãs de anime têm que abraçar o que existe e mostrar ao nosso país que existe saída e público nessa área – como por exemplo, com a estreia do Dragon Ball Super para a tv nacional. Isto foi esforço dos fãs que levaram a que o seu pedido fosse atendido.

Portugal tinha o tão conhecido canal Animax, mas que acabou por morrer por não ter audiência suficiente e o pior é que passavam lá animes excelentes como: Nana, Death Note, Samurai X, Soul Eater, Ghost in the Shell, etc, tudo isto legendado em português e em óptima qualidade. Também posso referir a Sic Radical que antes tinha muitos animes no canal e agora é o que é… Nós não damos audiências, os canais desistem.

Entendo perfeitamente aquilo que dizes, mas também depende de nós fãs fazermos valer os nossos gostos e mostrarmos a importância que o anime vai tendo cada vez mais no país.

Obrigada pelo teu comentário 🙂

Responder
Leandro Santos 23 Dezembro, 2016 - 15:33

eu sei que nós os espectadores têm uma boa fatia da culpa, ou porque as coisas são caras, ou porque quem vê não quer gastar nem um cêntimo em algo que pode ver de borla..

no meu caso em concreto, gosto algum dinheiro em anime e subscrevo Netflix que até tem um catalogo de interesse, mas queria comprar mais, este ano em blu rays só comprei 3 ou 4 porque é tudo caro, e têm a agravantes de saírem “relativamente poucos” episódios por disco o que leva a que completar uma colecção fique ainda mais caro.
em relação ao pt-pt, claro que somos um país pequeno e isso é um grande entrave, mas os conteúdos como dizes são muito poucos, mas já foram muitos mais, é uma bola de neve, se não existem conteúdos ninguém aposta cá, mas se a industria percebe que ninguém vê também não aposta.
outro grande problema é o preço elevado das licenças, não sei um número exacto, mas parece-me que licenciar algo para o nosso país deve ser bastante caro.

de ressalvar o trabalho da Crunchyroll que me parece estar a fazer um bom trabalho, mas para o nosso mercado em concreto tem que fazer muito mais, mas lá está, se eles não apostam “eu” não vejo, e se “eu” não vejo eles também não apostam

Responder
Matheus Smith 21 Dezembro, 2016 - 8:49

Não adianta nada postar o quanto custo a indústria. Ainda que eu pague o Crunchyroll, os doentes não me deixam ver animes com legenda em inglês, e limitam todo o conteúdo só para o que já está disponível para o Brasil. O acervo é pequeno, e na maioria das vezes não tem o anime que eu quero ver. O preço para compra dos animes originais com legendas é absurdo, e na grande maioria, também não possuem legenda em português. Por mais que tenha pró-eficiência em inglês, não vou pagar o valor absurdo de um DVD com outro idioma, muito menos deixar de assistir porque nenhum site se prestou a disponibilizar o conteúdo.

Responder
Cátia Coelho 21 Dezembro, 2016 - 23:55

Olá Matheus Smith,

Quanto ao valor de DVD e essas coisas, para não me repetir, pode ler também a resposta que dei ao Leandro Santos, porque também se aplica a si.

Face ao que especificou do problema das legendas do Crunchyroll: primeiro de tudo, entendi que o Matheus é do Brasil e realmente eu não sei como as coisas funcionam desse lado do mundo. Sei é que, por exemplo, para o Crunchyroll disponibilizar o Naruto em Inglaterra é necessário pagar a licença para esse país, se ele quiser esse mesmo anime no Brasil terá que pagar uma para o Brasil também – cada país é uma licença diferente, mesmo que o anime seja o mesmo.

Portanto, é natural que os países com mais habitantes e/ou mais fãs, recebam mais anime e no seu idioma. Aliás, Brasil é um dos países que tem bastante material disponível, nós aqui em Portugal estamos bem mais limitados nesse aspecto.

Depois claro que existem sempre formas de contornar a limitação de cada país 😉

Obrigada pelo teu comentário!

Responder
Gustavo Henrique 21 Dezembro, 2016 - 15:13

Infelizmente isso é verdade, mas esse é um problema que afeta os dois lados da história, os fãs e a industria, esse problema acaba sendo algo mais complicado do que parece, deveríamos começar por “Por que os fãs de animes consomem ilegalmente pra começo de conversa?” Por falta de opção, para ilustrar isso vamos comparar uma série e um anime, nesse caso Breaking Bad e One Piece, no Brasil é perfeitamente possível assistir Breaking Bad na televisão aberta, a cabo e/ou na Netflix ou qualquer outro serviço de streming, já no caso de One Piece as duas primeiras opções são descartadas, tanto dublado quanto legendado, e a unica alternativa seria pagar para ver, mas nem todo mundo está disposto a isso, fora que no meu país não existem formas legais de assistir vários animes por aí, logo não geraria lucro para a industria de qualquer forma, se eu não posso assistir de forma legal acabo por assistindo por pirataria mesmo. O problema não é que eu não quero ajudar, o problema é que nem sempre tenho como ajudar, BD são caros e de difícil acesso para muitos, logo a industria perde seu principal pilar de sustentação. Talvez no futuro, espero, surja uma alternativa mais viável para todos, eu tento ajudar comprando os mangás das obras que gosto, mesmo que o fundo não ajude muito, e quando tiver uma situação financeira mais favorável vou tentar assistir pelos serviços legais disponíveis, até lá eu e muitos outros só podemos lamentar pela situação atual.

Responder

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.