Rainbow: Nisha Rokubou no Shichinin | Análise

por Usagi Wright
animes que merecem mais reconhecimento - usagi wright

Sabem aqueles animes que obrigamos toda a gente a ver pois são (a nosso ver) obras primas? Conhecem alguma animação japonesa que por mais anos tenham passado, ela ainda vos fica na memória? Bem, foi o que me aconteceu com Rainbow: Nisha Rokubou no Shichinin (de agora em diante apenas indicado como Rainbow)! Irei tentar por todos os meios levar-vos a ver este anime; porém, caso não vos consiga convencer… vejam na mesma, vale a pena! Vamos começar?

 

Rokurouta Sakuragi

Rokurouta Sakuragi

 

Antes de passar à narrativa propriamente dita, gostaria de deixar aqui alguns aspetos importantes que vos podem levar a dar uma oportunidade a Rainbow:

Ainda não ficaram convencidos? Então venham conhecer a história!

 

Rainbow | A História

Rainbow é um anime com 26 episódios cuja linha temporal se passa uma década após a II Guerra Mundial (em 1955). Sete adolescentes foram obrigados a viver juntos numa cela pertencente a uma escola de correção em Shio. Esta espécie de reformatório é habitado diariamente por humilhação, violência e dor. Existirá algum raio de esperança que os guie nesta viagem assustadora?

 

Rainbow Analise Anime Cenas Iniciais

 

Rainbow | Um misto de emoções!

Algo bastante interessante neste anime é que ele é uma conjugação de Shounen e Seinen. Tem os clássicos estilos Shounen: a força da amizade, seguir os seus sonhos… com os temas pesados de Seinen: violência, corrupção, drogas, álcool e abusos. Claro que a presença Seinen é mais forte, não sendo esta uma animação para meninos… não querendo ofender! Mas na verdade, pessoas mais sensíveis ou impressionáveis aconselho a não verem Rainbow, já que a carga dramática é gigantesca.

 

Prisioneiro tenta devolver boneca a uma menina

 

Rainbow dá-nos a dose perfeita de realidade tendo em conta a situação temporal em que se encontravam (saída da II Guerra Mundial). Trata-se de sete adolescentes confinados a uma cela que têm de sobreviver perante abusos e que se encontram sozinhos no mundo… tirando a amizade que têm uns pelos outros. Resumidamente, Rainbow retrata uma frase bastante peculiar: São eles contra o mundo!

Não é possível não acompanhar os personagens desde o primeiro episódio e literalmente sofrer com o decorrer da narrativa! Eu mesma fui culpada neste aspeto, apesar de normalmente não conseguir estabelecer uma conexão emocional com os protagonistas, por isso, quando tal acontece, tem uma razão: o anime é excelente! Vejam (será que vos consigo convencer pela persistência pelo menos?).

Voltando à história em si, são-nos apresentados rapazes entre os dezasseis e os dezoito anos, cada qual com um passado bastante particular sobre como acabaram na Escola de Correção de Shio (mais parecido com uma prisão). Um deles, que já se encontrava presente na cela antes de todos os outros, será considerado posteriormente o pilar de libertação e o líder do grupo. Considerado digno de ser seguido pelos seis restantes, Rukorouta Sakuragi tornou-se no elo de ligação entre todos e na chave de salvação no meio do terror e das dificuldades.

 

O grupo de amigos de Rainbow, com Sakuragi à esquerda

O grupo de amigos de Rainbow, com Sakuragi à esquerda

 

Alegria, dor, amor, amizade, desespero, emoções, emoções, emoções… Um anime capaz de colocar qualquer um a chorar como uma criança. Que mais precisam? Rainbow tem tudo!

 

Rainbow | Uma lição de vida?

 

Eram sete homens que sobreviveram durante uma terrível época, no fundo do caldeirão do inferno, numa cela. O que os manteve em pé foi o valor, a coragem e a união. Depositaram as suas esperanças nas sete cores do arco-íris e juraram sobreviver.

 

Outro dos pontos positivos deste anime é o que se passa num bom Shounen: lições de vida e para a vida. Os personagens serão obrigados a ultrapassar imensas dificuldades para conseguirem obter os resultados esperados. Aliás, os obstáculos serão tantos que penso seriamente que os fãs de Rainbow sejam um tanto masoquistas, pois devem gostar de sofrer! Bem, muito aprendi com esta épica animação japonesa: a família é tudo  (mesmo que seja aquela que escolhemos e não a de sangue), devemos sempre aproveitar todas as oportunidades disponíveis que nos levem ao que queremos alcançar (ainda que isso signifique sacrificar algo importante, a vida é feita de escolhas!) e confiar constantemente num futuro melhor.

 

Grupo dos sete adolescentes à procura do raio de esperança

 

Ao finalizar o anime pode-se expressar o sentimento de: entrei como um menino (menina) e saí de lá como um homem (mulher)!

 

Rainbow | Ambiente e Banda Sonora

O ambiente em Rainbow é realmente pesado, tal e qual como a narrativa que o acompanha. No decorrer da animação não pude deixar de comparar com animes como Death Note ou Monster, nos quais as tonalidades são bastantes escuras, carregadas e sinistras. Há um abuso dos castanhos, pretos e cinzas, de modo a representar a realidade como a conhecemos (apenas num tom mais negativo) e a dar um maior realismo e seriedade à história.

 

Cena explícita de violência de um polícia sobre Sakuragi

O dia a dia do líder do grupo, Sakuragi

 

As cenas apresentadas em si contêm bastantes conteúdos explícitos, como violência sexual, física e também psicológica. Rainbow é realmente um filme para adultos, por isso aconselha-se os menores de idade ou mais sensíveis a não assistir.

 

Cena de violência física - Mão esmagada

 

Já a banda sonora apresentada é muito virada para o Rock, seja ele agressivo ou calmo. Posso afirmar que o repertório musical foi uma das partes que mais gostei em Rainbow, o que está também claramente ligado a um gosto pessoal. O opening escolhido é cativante, forte e realmente viciante: “We’re Not Alone” da banda Coldrain.

 

 

Por sua vez, o ending é uma música calma e que se coaduna perfeitamente com o final de cada episódio: “A Far-Off Distance” da banda Galneryus.

 

 

A parte sonora faz-me recordar bastante Hunter x Hunter 2011, bem como os traços dos personagens. Nada surpreendente, tendo em conta que partilham o mesmo diretor de animação.

 

Rainbow | Pontos Negativos

Por muito fenomenal que uma obra possa ser ela acaba sempre por apresentar falhas, seja por falta de dinheiro, tempo, qualidade na produção… Rainbow não é diferente. Apesar de se encontrar no meu Top de animes preferidos reconheço-lhe algumas lacunas.

 

1. Momentos demasiado dramáticos

O drama em Rainbow é simplesmente a cereja no topo do bolo todo que é este anime. Contudo, algumas cenas podem parecer exageradas e propositadas para fazer com que a emoção transmitida não se perca e o público se identifique com os personagens (tenha pena, dó, compaixão). Para quem gosta de histórias pesadas mas não muito de “dramalhões”, pode achar algumas cenas falsas e até irreais.

2. Personagens esquecidas

Algo que me revolta neste anime é o facto de na segunda metade da narrativa, uma das personagens principais ter sido esquecida e uma outra ter sido colocada um pouco de lado (principalmente por eu querer saber mais sobre a sua vida). É uma falha bastante grave quando nos são apresentados um certo números de protagonistas e nem todos eles têm a devida atenção.

3. Má adaptação do manga na segunda parte do anime

Terceira e última falha de Rainbow é a não adaptação total da história original na sua segunda metade. Nota-se claramente que isso não foi conseguido já que o anime tinha de se cingir a meros 26 episódios. A história é bastante acelerada de modo a conseguir mostrar o essencial, mas fica sempre na mente aquele “gostinho de quero mais”.

 

Cena em que um dos rapazes chora

 

Rainbow | Juízo Final

Penso que tenha dado para entender o quanto fiquei fã deste anime. Não consigo perceber como uma obra tão genial (e produzida por monstros na animação japonesa) seja tão desconhecida pelo público em geral. Rainbow tem tudo o que um anime deve ter. Excelente enredo, fantástica banda sonora, animação adequada ao tipo de narrativa e personagens bem construídos!

Todos os detalhes têm um propósito de ser e nenhum mistério fica sem resposta. Os acontecimentos que vão sucedendo possuem uma lógica muito própria e cada um tem o seu tempo, havendo um controlo total da história.

O final pode ser um tanto previsível mas bastante agradável de assistir, no meio de tanto desespero e desilusões. Nem tudo acaba bem mas também nem tudo acaba mal. Há um equilíbrio que nos deixa satisfeitos.

 

Depois de todo este discurso, é desta vez que vos convenço a dar uma chance a Rainbow?

Quem já assistiu pode deixar aqui umas palavras para incentivar outros a não deixar escapar esta relíquia!

Aproveito para mostrar um AMV para vos abrir ainda mais o apetite. Cuidado com os possíveis spoilers. Desfrutem!

 

 

 

9 comentários


Loading...

Também deverás gostar de

9 comentários

Leandro Santos 9 Agosto, 2015 - 20:22

Cátia.. não precisar de tentar convencer mais.. pelo menos eu estou rendido.

e não o estou pela tua insistência, estou sim pelo teu texto e pela historia que me aprece ser muito bo, a parte dramática que dizes ser em demasia é aquilo que me apela..

ainda hoje vou ver o primeiro.

Responder
Cátia Coelho 10 Agosto, 2015 - 1:11

Olá Leandro Santos,

Fico muito contente que tenhas gostado da minha análise. É sempre gratificante saber que existe alguém desse lado da tela a ler o nosso trabalho 🙂

Quanto ao anime devo dizer que só fiquei vidrada no segundo episódio! O primeiro é interessante, contudo não me cativou por completo. O segundo obrigou-me a ver o anime até ao fim em apenas dois dias!

Depois diz-me o que achaste de Rainbow. Realmente pouca gente conhece esta obra e estou curiosa para saber mais opiniões.

Obrigada de novo pelo teu comentário e continua sempre a seguir-nos 😀

Beijinhos

Responder
musicslave 12 Agosto, 2015 - 9:41

Cátia, visto 4 episódios e concordo em quase tudo contigo.
e o quase vem do “exagero” dramático, é certo que me falta ver bastante, mas do que vi o drama é o certo, adoro aqueles momentos pesados.. e são bem pesados, alguns chegam a dar um nó no estômago, é gratificante logo ao inicio ficarmos a gostar destas personagens e a detestar outras, esta facilidade é um grande mérito

gostei das personagens, do ambiente e da banda sonora, tudo excelente, agora tenho receio sobre o futuro lá mais para o meio da temporada, é que a este ritmo tenho receio que o anime se perca. a história está a avançar a bom ritmo e parece-me que vão empatar as coisas lá mais para o meio.. isso e alguns secundários que são algo descartados
mas para já nada disso interessa quando tudo o resto é excelente, fiquei surpreendido, não estava à espera desta qualidade

p.s: não é necessário dizeres para vos seguir, já o faço à algum tempo e apesar de não escrever muito (porque não vejo muitos animes) todos os dias passo por aqui 🙂

Responder
Cátia Coelho 12 Agosto, 2015 - 15:35

Olá de novo! 🙂

O tal exagero dramático que mencionei no meu texto tem a ver não tanto com um gosto pessoal mas já mais com uma opinião de outras pessoas. Como tento ao máximo ir de encontro à generalidade dos gostos resolvi colocar esse ponto como defeito. Contudo, na minha opinião, eu adorei o drama, até porque aprecio bastante estes temas mais pesados.

Quanto ao ritmo da história, e tentando não dar muitos spoilers, a história irá levar um reviravolta enorme. O foco que estão a dar agora irá mudar completamente e isso pode fazer com que as pessoas nem queiram mais ver o anime (soube situações dessas); não porque a narrativa se tenha perdido, mas sim porque o tal foco será diferente. Porém, quem está ligado às personagens vai gostar de continuar a assistir (esse foi o meu caso).

Continua a ver e depois quando chegares nessa parte (vais perceber qual é) diz-me aqui o que achaste e se vais decidir continuar a ver!

Ps: O ptAnime agradece muito a tua lealdade e espera conseguir continuar com conteúdo que te faça querer voltar sempre! 🙂

Responder
Leandro Santos 4 Outubro, 2015 - 16:37

passado muito tempo, volto para deixar a minha apreciação final.

a partir da morte de um certo personagem a série deveria ter continuado no maximo mais 1/2 episodios. assim andou a encher chouriços durante muito tempo até fazer os seus 26

ainda assim a avaliação é extremamente positiva. a maioria dos personagens é interessante, pena que alguns não tenham sido aproveitados,
a vida na prisão foi muito bem feita, carregada de drama, desenvolvimento de personagens e de muito coração, o espirito da amizade foi muito bem recriado, se bem que na segunda metade da temporada isto foi levado a um exagero, tudo o que faziam era em nome dele, os sonhos, as vivências, pareceu ser um culto.
outra coisa que me incomodou foram as coincidências, sempre que o grupo de via numa situação de aperto, lá acontecia uma coincidência que os deixava mais aliviados.. acho que não era necessário tanto esforço para isto acontecer.
com isto volto a frisar que adorei o anime, a musica marcou-me, algumas personagens também, e a historia tem uma grande dose de drama e do bom, percebo quando a Cátia diz que tem “demais” e vendo agora concordo com isso mas só na segunda metade.

dou 8.6/10 e mais uma vez os meus parabéns pelo texto

Responder
Cátia Coelho 27 Outubro, 2015 - 21:15

Olá de novo Leandro!

Uma das grandes lamurias dos fãs de Rainbow é realmente a tal morte que falaste e o desenrolar da história a partir daí. Um grande número de pessoas desistiu de continuar o anime depois do sucedido.

Já eu gostei da “sequela” e de ver que mesmo sem o o mestre do grupo os demais conseguiram seguir a sua vida, evoluir, prosperar e, aliado a tudo isso, não se esquecerem daquilo e de quem os uniu e permitiu que tivessem a vida que possuíam (ainda que sim, houvesse aqui um exagero – desculpável por toda a situação que todos viveram).

Quanto às coincidências, consegues dar-me exemplos para eu entender melhor do que falas? Como já vi o anime há um tempo, certas coisas escapam-me.

Obrigada de novo Leandro e continua a deixar-nos a tua opinião 🙂

Responder
Leandro Santos 27 Outubro, 2015 - 21:34

agora também já não tenho na mente exemplos, mas na principalmente na sequela existiram varias coincidências na historia, principalmente nas situações que levavam os herois a safarem-se das adversidades

cá continuarei a estar Cátia 🙂

Responder
renan 30 Abril, 2016 - 6:03

Vai ter segunda temporada?

Responder
Cátia Coelho 30 Abril, 2016 - 8:44

Olá Renan.

Nada está confirmado sobre a existência de uma segunda temporada. O anime decorreu já na primavera de 2010 e o final que nos proporciona deixa claro que não existirão sequelas).

Obrigada pelo teu comentário 🙂

Responder

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.