Sakamichi no Apollon – Análise

por Renato Sousa
Sakamichi no Apollon - Análise | Primavera 2012 | Sakamichi no Apollon Live Action - Protagonistas Feridos em Acidente

“Sakamichi no Apollon”, anime também conhecido pelo nome “Kids on the Slope“, conta-nos as aventuras diárias de algumas pessoas que, depois de se cruzarem nas suas vidas, vão estabelecer fortes relações de amizade e de amor. À primeira vista, esta até parece ser uma sinopse bastante comum a diversas produções. No entanto, tem uma particularidade, o jazz, género musical que vai tornar tudo muito mais intenso e mágico.

 

Sakamichi no Apollon | A História

Em pleno verão de 1966, Kaoru Nishimi muda-se de Yokosuka para Kyushu. Uma vez lá, ingressa na escola secundária da zona e começa a viver com alguns familiares seus. Neste grupo não estão incluídos os seus pais. Sem dar grande importância à criação de novas amizades, e muito menos aos que vivem debaixo do mesmo teto que ele, Kaoru leva uma vida isolada e de quase completo sossego.

Contudo, este modo de vida que o rapaz pretendia ter desde que chegara de Yokosuka não dura muito tempo. Logo no início do ano letivo, fruto de um acontecimento inesperado que surge durante um intervalo de aulas, Kaoru sente-se mal. Desesperadamente, este procura alcançar o terraço do edifício. O único local que sempre o ajudou a recuperar daqueles sintomas bastante familiares. É nesta corrida contra o tempo que Nishimi cruza (pela primeira vez!) caminhos com Sentarou Kawabuchi. Um aluno da sua turma que tem a fama de ser o mais rebelde da escola.

Mais tarde, os dois voltam a encontrar-se, por intermédio de Ritsuko Mukae. Delegada de turma e amiga de infância de Sentarou, Ritsuko leva Kaoru a tocar no piano que tem na cave do local onde mora. Ao aproximar-se do piano, Nishimi nem se apercebe que tem a seu lado uma bateria “comandada” pelo próprio Sentaro.

Para além da sua enorme rebeldia, Sentarou é também um dos maiores apreciadores de jazz da região. Este vai passar para Kaoru a mesma paixão. E assim, por intermédio do jazz, vai nascer uma grande amizade entre o maior rebelde e o maior “betinho” da escola.

Acompanhados por Ritsuko, entre outros protagonistas, Kaoru e Sentarou vão viver grandes aventuras. Não só no que toca ao jazz e ao mundo da música em geral, como também no que diz respeito às relações com os outros e a peripécias proporcionadas pelo dia a dia.

 

Sakamichi no Apollon - Análise Anime

 

Sakamichi no Apollon | Ambiente e Enredo

Ao passar-se em meados dos anos 60 do século passado, não podemos, como é óbvio, esperar grandes modernices nos ambientes de Sakamichi no Apollon. No entanto, esse é um dos principais aspetos que torna esta série tão rica em termos de relações entre pessoas. Pode parecer não haver grande ligação entre estes dois fatores, mas a verdade é que essa conexão existe.

Aliás, existe e de uma maneira mais forte do que à partida poderíamos imaginar! Basta fazer uma pequena comparação entre os dias de hoje e a altura em que esta obra se passa. Nos tempos que correm já são poucos os miúdos que jogam à bola na rua, ou que reúnem depois das aulas para tocarem um pouco de música como é o caso. A maioria submete-se ao poderio das consolas, da televisão e das redes sociais em grande parte do seu tempo. Como naquela época não havia nada do género, o tempo que passavam juntos servia para marcarem as suas vidas com grandes momentos, para intensificarem relações, para desfrutarem da companhia de alguém que, quando bem escolhida, fazia daquele bocado de tempo um momento bem passado.

Aproveitando então para fazer aqui a ligação com o enredo, esta série não é dotada de uma grande história, cheia de suspense e de mistério. Simplesmente, não precisa! O seu segredo e a sua riqueza estão no conjunto de peripécias diárias do grupo de personagens que acompanha. Peripécias ao nível da amizade, do amor, entre outros sentimentos. Peripécias que tornam esta obra tão mágica e ao mesmo tempo tão real. Peripécias que nos dão vontade de assumir o papel de alguma das personagens principais.

 

Sakamichi no Apollon | O Jazz

Sakamichi no Apollon é também uma boa oportunidade para conhecermos um pouco do jazz. Um género musical que hoje em dia não é muito frequente, mas que, como aqui fica comprovado, tem uma riqueza sentimental enorme e é super agradável de se ouvir. Como se pode imaginar, o jazz dá vida a grande parte das músicas de fundo da série. Uma escolha quase obrigatória por parte da produção e que se revelou uma aposta ganha.

 

Sakamichi no Apollon - Análise MAPPA

 

Sakamichi no Apollon | As Personagens

Tendo em conta que estamos a falar de uma série com apenas 12 episódios, e que o objetivo desta análise é falar um pouco da obra em si e da sua qualidade sem fazer grandes spoilers, aqui vão ser descritas apenas as três personagens principais, ou seja, Nishimi, Kawabuchi e Mukae.

 

Sakamichi no Apollon | Kaoru Nishimi

Uma personagem bastante inteligente e com um enorme talento para tocar piano. Todavia, como já foi dado a entender na parte da história, este jovem era alguém que se isolava dos outros sem qualquer problema. Até ao dia em que conheceu Sentarou. A partir daí, Kaoru revela a sua verdadeira identidade, provando ser alguém que se preocupa verdadeiramente com os seus amigos. Mais acrescento, alguém mesmo capaz de colocar o bem-estar dos outros à frente do seu.

 

Sakamichi no Apollon | Sentarou Kawabuchi

Ao contrário do franzino Kaoru, Sentarou Kawabuchi é bem mais alto e forte fisicamente. Uma caraterística que lhe permite andar frequentemente envolvido em confrontos com outros alunos. Verdade seja dita, muitas vezes é pelas melhores razões. Seja como for, foi este aspeto e o de não ter o mínimo de interesse pelas aulas que lhe concederam o título de bad boy da escola.

Contudo, é fora do estabelecimento de ensino que Sentarou mostra a sua verdadeira essência. Isto é, uma pessoa bastante humilde e com um grande sentido de responsabilidade no que toca à família. Sozinho, este toma conta de todos os seus irmãos e irmãs. Como não poderia deixar de ser, a sua maior paixão é o jazz.

 

Sakamichi no Apollon | Ritsuko Mukae

Ritsuko é a melhor amiga de Kaoru e Sentarou. Apesar de não tocar qualquer instrumento, Ritsuko é uma grande apreciadora de jazz e adora ouvir os seus dois grandes amigos e todos os que a eles se juntam. Tal como os outros protagonistas, Ritsuko dá muito valor às suas amizades. Se há coisa que a rapariga não gosta é de confusões, o que resulta em estar constantemente a reprimir Sentarou pelos seus atos brutos. É na casa desta personagem que se passa uma boa parte da série. O seu pai possui uma loja de discos e tem uma cave onde Kaoru, Sentarou e companhia podem ensaiar as suas músicas.

 

Sakamichi no Apollon - Análise Anime

 

Sakamichi no Apollon | Juízo Final

Resumindo, Sakamichi no Apollon é uma obra que que retrata outros tempos e outros géneros musicais. Uma produção que nos dá a conhecer a riqueza dos anos 60. Acima de tudo, o anime tenta chamar à atenção para a importância da convivência com os outros e do estreitamento de relações, sendo que para isso não necessitamos de nenhuma das habituais modernices. Ao abordar outros tempos, a obra acaba por proporcionar aos jovens dos dias de hoje um enriquecimento cultural importante.

Se juntarmos todos os aspetos positivos referidos ao longo da análise ao facto de ser uma série curta, o que por si só significa intensidade máxima em todos os capítulos, fica claro para todos que esta é mais uma obra recomendada vivamente pelo ptAnime. A magia e os ambientes suaves e harmoniosos, resultantes da combinação do jazz com as peripécias joviais dos protagonistas, são referências que ninguém esquecerá depois da visualização desta produção única.

Sem mais nada a acrescentar, deixo-vos na companhia de um curto trailer de Sakamichi no Apollon, acompanhado pelo próprio opening da série que também é muito bom.

 

Sakamichi no Apollon | Trailer

 

 

Sakamichi no Apollon | Opening

 

 

 

0 comentário

Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.