O Ecchi do mesmo?

18 Outubro, 2015  Por Nayuki 
20


Frequentemente, nas minhas visitas a fóruns de anime vejo algo muito curioso. Com a facilidade da divulgação de notícias, a mesma chega a todos os cantos. A situação não é muito distinta em relação às opiniões dos fãs dos sites especializados, todos os tipos de ideias abomináveis e sem nexo acabam por se tornar virais.

Ecchi, particularmente é um dos meus géneros favoritos. Lamentavelmente, na minha opinião, poucos são bem conseguidos hoje em dia. Por outro lado, quando as produtoras conseguem criar algo original, torna-se algo bem gratificante de assistir.

Para os mais desligados, o termo Ecchi significa na língua japonesa “relação sexual”. Dá-se o nome de Ecchi a um anime onde a sensualidade é o tema principal. Contudo, no caso de haver sexo explícito, este designa-se por Hentai.

 

Ichiban Ushiro no Daimaou cronica

Ichiban Ushiro no Daimaou

 

Porquê que o género ecchi gera tanta controvérsia pelos fãs de anime?

Trata-se de um tema que, normalmente, estará aliado a comédia ou a cenários peculiares. Atire a primeira pedra quem nunca se riu quando o protagonista aterrou de maneira propositada e nada forçada em cima dos fartos seios de uma das personagens. Sem ironia, eu sei que não é original, mas usemos o bom senso: é muito difícil e incomum encontrar um anime que seja diferente.

Não é preciso ser necessariamente um ecchi. Quantos shounen não são baseados e feitos praticamente da mesma premissa? Ecchis raramente trazem algo de novo, porém quantas vezes já viste extraterrestres a invadir a terra?
Então não, o problema não está nos ecchis e sim na falta de originalidade do ser humano.

 

Cronica Ecchi 2

 

O grande ponto da questão está no facto de ecchi geralmente já ser criticado só pela sua definição. Talvez porque ainda existem tantos tabus ao nosso redor, contudo esse tema já não é algo que me convenha avaliar aqui. Vamos agora aquilo que mais ouvi ao longo da minha vida de fã de anime e manga:

“Ecchi não tem história.”

O que para ti seria história? Estaremos aqui a falar de uma trama com uma alta profundidade ou simplesmente de um anime com início, meio e fim? Nesse caso não são SÓ os ecchis que não têm história. Grande parte dos slice of life, são apenas isso, o nosso dia-a-dia, a nossa pacata vida com problemas comuns. Foi por isso que deixaste de gostar de animes como Toradora? Nem todos os animes vão ter o enredo fantasticamente bem elaborado de Death Note, a quantidade de arcs de One Piece ou a profundidade de Clannad. Não é esse “critério” que torna o anime bom ou mau. O que torna o anime chato são os constantes esquemas já conhecidos, as personagens sem sal e episódios mal desenvolvidos.

Então, pessoalmente, não diria que o problema está especificamente nos ecchis e sim no conceito próprio de cada um de “história”.

 

Highschool DxD cronica ecchi

High School DxD

 

“Ecchis são coisas de tarado.”

Pergunto-me muitas vezes quando foi que a sociedade se tornou tão mesquinha ao ponto de rotular as pessoas só pelo que elas assistem. Não, não vou dizer para o meu irmão de oito anos assistir To-Love Ru. Mas provavelmente quem verá ecchis já serão pessoas crescidas com dois dedos de testa, que sabem perfeitamente o que é sexo.
Não acho propriamente a maneira como a maioria dos animes abordam o sexo a mais adequada. Peço desculpa se o teu sonho é ter um harem e acabei de ferir os teus sentimentos. Ecchis são apenas uma vertente, assisti-los não faz de ti um pervertido da mesma maneira que gostares da Yuno de Mirai Nikki não signifique que vais sair por aí com uma faca.

 

To LOVE-Ru cronica ecchi

To LOVE-Ru

 

“Ecchis sao todos mais do mesmo.”

Já manifestei a minha opinião relativamente a esse pretexto durante este artigo. Eu, que já vi muitos ecchis, inclusive os mais renomados, confesso que se tivesse que apresentar uma estatística, diria que 1 em cada 5 me agrada. Realmente é pouco. E sim, a maioria é mesmo farinha do mesmo saco.

A minha opinião relativamente a este tópico é simples: Se não vendesse ou não tivesse público não se produziam. Julgo que nenhuma produtora será masoquista e gostará de gastar dinheiro só porque sim. Ponho as minhas mãos no fogo em como os “senhores moralmente corretos” que comentam nos fóruns afirmando que estão fartos de ecchis, vão buscar a pipoca para ver as novidades do género.

 

Highschool DxD cronica ecchi 1

High School DxD

 

“Ecchis desvalorizam as mulheres”

Pornografia também e o Brazzers ainda não faliu. Julgo que esta frase já resumiu o que penso sobre isso. Não foram os ecchis que “reduziram” o estatuto da mulher quando se fala de sexo. Tal fenómeno já provém da nossa sociedade antes mesmo de existirem desenhos animados. Contudo, é sempre mais simples arranjar um bode expiatório. A maioria das mulheres dos ecchis são fortes e têm poderes mais interessantes que até os homens, isso também devia ser considerado. Basta olhar-mos para o protagonista de To Love-Ru.

 

Shimoneta cronica ecchi 1

Shimoneta

 

  • Finalizando, gostava de referir alguns ecchis que têm a minha aprovação:
    – Highschool DXD
    – Prison School
    – Kore wa Zombie desu ka?
    – Shimoneta to Iu Gainen ga Sonzai Shinai Taikutsu na Sekai
    – The Hentai prince and the stony cat

 

Cronica ecchis

O Ecchi do mesmo – Recomendações

 

Não pretendi, em nenhum ponto aqui levantado, afirmar que o ecchi é o melhor género de anime ou que o mesmo não deve ser criticado. A minha única ambição com este texto é que os fãs de anime repensem em alguns fatores antes de enumerar as suas reclamações.

 

Comentários do Facebook




Nayuki
Chibi Tsundere que adora escrever. Viciada em animes e fã de Slice of Life. Gosta de chocolate e de livros. Acha que Clannad é o melhor anime do mundo. Vê hentais sem tentáculos de vez em quando. Ouvinte assídua de K-pop e Army de coração.







Também deverás gostar de




20 Comentários

Bom artigo sobre este género que, por vezes, é odiado só por ter mais destaque que os “grandes clássicos” do anime.

Não sou o maior de fã de série ecchi, mas, vejo, de vez em quando, algumas série deste género. E quando vejo, não espero ver uma grande história ou personagens super interessantes. Se não, estava sempre a ter desilusões. Vejo porque quero ver uma série em que possa “desligar o cérebro” e, simplesmente, distrair um pouco. E, na minha opinião, estas séries servem somente para isso.

Claro, que se formos apanhados a ver personagens animadas em trajes menores ou que os seus seios abanem à “mil à hora”, teríamos muito que explicar.

Se calhar se não houvessem tantas séries ecchi e houvessem mais séries de “qualidade” (que é algo muito subjectivo), se calhar este género não seria tão crucificado. Mas, o problema é que o publico japonês (a parte mais fanática) gosta deste tipo de séries e depois compram todo o ‘merchandising’. E o publico mais ocidente prefere as séries mais “sérias”. O problema é que o publico ocidental ainda não tem a relevância suficiente para ditar as “regras do jogo”. Por isso, enquanto não haver uma mudança em termos de “gostos” do publico fanático japonês, a tendência é para continuar a haver mais séries ‘ecchi’.

A fama do género ecchi tem vindo a piorar cada vez mais, não por causa do publico preferir este género, mas, sim, porque os autores (principalmente de ‘light novels’) tem estado a criar obras demasiado semelhantes umas às outras. Não sei porquê, mas, ultimamente tenho visto alguns anúncios em relação a adaptações de ‘light novels’ para anime, cujo o enredo soam demasiado parecidos ao enredo de “Infinite Stratos” (cujo a série não tem qualquer relação com o meu nick, dado que achei a série aborrecida – convém esclarecer que o meu nick vem de um dos melhores carros de rali de sempre).

Todos os géneros tem direito a existir, por isso, acho eu, que não vale ficarmos chateados com uma série só por esta ser ‘ecchi’. Porque se formos a pensar, ficar chateado com uma série cujo grande parte do conteúdo destas séries são “mamas” e “panty-shots” parece ser um perca de tempo.

Nunca pensei iria falar com tanta seriedade sobre séries ‘ecchi’… Parece que afinal gosto mais deste género mais do que eu pensava e devia. xD


    Só assiste quem quer :3 Não entendo o pessoal que precisa de ver 2000 episódios para confirmar que não gosta. Criticas fundamentadas aceita-se, agora hate puro, é falta de neurónios.


Faltou Shinmai Maou No Testament aí na lista


não sou o mais fã do genero, alias, sou pouco, isto talvez porque nunca vi nenhum realmente bom, que me cativasse .

esse estereotipo pelo genero advém tanto de quem vê como de quem o produz, uns porque têm uma ideia pré-concebida , isto acontece porque as produções são quase sempre mais do mesmo.
percebo que se queira desligar o cerebro quando se vê um ecchi, mas acho que isto é sempre mais do mesmo, claro que o genero é assim mesmo, mas podiam fazer algo mais. volto a frisar é a minha opinião do que vi ao longo dos anos. claro que este problema se coloca noutros géneros, mas acho que neste o problema é mais acentuado
se quiser desligar o cerebro vejo uma comédia que me dá mais gozo


    Se o que fazem agora rende números , não vejo porque razão haveriam de se esforçar por ser originais. Na verdade vejo. Mas lá está, eles querem lá saber do que o pessoal grita nos fóruns, desde que haja salários no final do mês, está tudo bem.


a única falha que encontro no texto é não ter To Love Ru nas recomendações :v xD de resto muito bom 🙂


Nota rápida: ecchi não significa relação sexual em japonês. É um termo calão para designar algo “atrevido”, “prevertido” ou “erótico” (não visualmente explícito quando usado em manga e anime) que vem da adaptação para japonês da pronúncia inglesa de “H” (como em “H-rated”).

Quanto ao artigo de opinião em si, já vi Ecchi, não gosto e tenho os meus motivos (alguns dos quais foram abordados aqui mas mal fundamentados) mas não é por isso que penso pior do género ou das pessoas que os vêem. Dizer que “se há empresas que os produzem significa que dão dinheiro o que significa que têm público o que significa que são bons” é um exagero (a Casa dos Segredos também tem audiências enormes, o que não significa que seja um programa de qualidade), mas isso aparte, é um estilo de nicho que produz para os que gostam. Cada um com os seus gostos. Quem não gosta (como eu) que não olhe.

O que me irrita no universo ligado aos ecchi não são tanto os ecchi em si – é o fanservice. Hoje basta pôr raparigas de copa F ou quatro vezes maior de bikini tão pequenos que podiam facilmente substituídos por duas moedinhas coladas por fita cola aos mamilos e temos um anime “de sucesso”. Ao menos o estilo ecchi assume-se como aquilo que é, sem enganar ninguém. Grande parte das histórias não tem profundidade nem coerência, mas quem vê sabe aquilo que tem pela frente, e vê nem tanto pela história mas pelo carácter cómico e erótico do anime. Agora a partir do momento em que um shounen normal “precisa” de ter personagens com peitos duas vezes maiores que a sua cabeça, com movimentos completamente não-naturais e em situações sem lógica nenhuma, só porque dá para a malta babar um pouco mais em frente ao pc… entristece um pouco…

Acho que hoje em dia ninguém se lembra de fazer as coisas com um motivo útil e lógico para o anime em questão… Mete-se uma carrada de ecchi em animes que supostamente não seriam ecchi porque… enfim, mamas…


    Eu nunca disse que todos os ecchis tinham qualidade, mas se se produz é por algum motivo. Não se brinca numa industria destas (:
    Engraçado que acho que foste a única pessoa que achou o artigo mal fundamentado, but haters gonna hate. Se não gostas de ecchi, ninguém te a ver :3
    Obrigada por partilhares a tua opinião!


      Cara Daniela, não disse nem que o artigo tinha sido mal fundamentado (disse que alguns dos argumentos usados contra os ecchi não estavam bem fundamentados, e certamente concordarás que se estivessem, isso só ajudaria à força da tua opinião quando os refutasses) nem que era obrigado a ver ecchi (como aliás referi várias vezes). Julgo que interpretaste mal o meu comentário como um ataque ao género ecchi, e não como a queixa face à quantidade exagerada de fanservice que assistimos em animes que não ecchi que ele é. Peço-te contudo que não faças generalizações apressadas como “haters gonna hate” – julgo


      Cara Daniela, não disse nem que o artigo tinha sido mal fundamentado (disse que alguns dos argumentos usados contra os ecchi não estavam bem fundamentados, e certamente concordarás que se estivessem, isso só ajudaria à força da tua opinião quando os refutasses) nem que era obrigado a ver ecchi (como aliás referi várias vezes). Julgo que interpretaste mal o meu comentário como um ataque ao género ecchi, e não como a queixa face à quantidade exagerada de fanservice que assistimos em animes que não ecchi que ele é.

      Peço-te contudo que não faças generalizações apressadas como “haters gonna hate” – julgo que não fiz nada que merecesse esse comentário em que basicamente estás a descreditar toda a minha opinião simplesmente porque não gosto de ecchi (eu, que até disse admirar a “coragem” dos ecchi, que ao menos assumem aquilo que são). São esse tipo de comentários que descredibilizam a comunidade, porque se assim que ouves um comentário negativo o classificas como irrelevante porque a pessoa não gosta do estilo, não está a agir de maneira diferente daqueles que rebaixam os ecchi só por ser aquilo que é. Eu sou um grande fã de shounen e seinen, mas se um fã de shoujo me disser que não gosta de HunterxHunter porque é só lutas e etc a minha reação não será “Curioso como és a primeira pessoa que diz isso, mas haters gonna hate, se não gostas de ver shounen e seinen não vejas “, será algo como “Se gostas mais de animes shoujo e estivesses curioso com shounen, talvez HxH não seja a melhor opção para ti. Tenta alguma coisa que tenha mais romance à mistura e uma atmosfera mais leve, talvez Magi, FMAb ou mesmo algo menos shounen como Fate Stay/Night”…

      Repito o meu primeiro comentário de forma muito resumida, para que possas perceber melhor:
      1- Não gosto de ecchi, mas reprovo quem desdém por preconceito. Quem não gosta não é obrigado a ver, e isso não lhe dá o direito de debaixar quem gosta
      2- Apesar disso, vendas e audiência não traduzem qualidade (cuidado com as falácias)
      3- O me irrita nem são os ecchi – é a sexualização de tudo e mais alguma coisa (nos animes que NÃO eram supostos ser ecchi) em situações que não faz sentido para a história, só pelo bem das audiências.


Ecchi não me aquece nem arrefece, se estiver lá dou umas gargalhadas e faço facepalm com alguns clichés, se não estiver não está e a vida anda para a frente! Animes só ecchi não têm muita piada, eram engraçados quando eu era miúdo mas agora precisam de bastante mais para me apegarem!

Não deixei de ficar feliz por ver este artigo aqui, mas como comentário construtivo, penso que por vezes podia ter sido um pouco mais cuidada a maneira de expor os argumentos. Tratando-se de um artigo de opinião pessoal e não uma mensagem de facebook deixada por piadola para defender o ecchi, certos géneros de linguagem não são os mais adequados. Parece que não há cabeça fria em certos pontos…
Por exemplo:

—————————-
“Ecchis desvalorizam as mulheres”

Pornografia também e o Brazzers ainda não faliu. Julgo que esta frase já resumiu o que penso sobre isso. Não foram os ecchis que “reduziram” o estatuto da mulher quando se fala de sexo. Tal fenómeno já provém da nossa sociedade antes mesmo de existirem desenhos animados. Contudo, é sempre mais simples arranjar um bode expiatório.

—————————-

As primeiras duas frases parecem-me bastante desnecessárias, e tiram seriedade ao foco da questão: “não é o ecchi que reduz a mulher, são as nossas cabeças.” (Além de que hoje em dia o homem está nesta exacta posição nos Otome games e nos múltiplos Yaois/ Shounen-ais e Wannabe Sport’s Anime que só servem para o fan service de gajos musculados a nadar enquando são gays de armário uns pelos outros para agradar às fãs hahaha!) Mas resumidamente, era mais importante aqui era provar que há uma tendência para a igualdade de género e o papel da “mulher poderosa” esta em alta em muitos ecchi, coisa que há 30-40 anos atrás era completamente impensável!

Se uma pessoa estivesse completamente contra o ecchi, facilmente encontraria falhas na maneira como expuseste os argumentos, apesar de eles serem completamente válidos!
Outra coisa, como já foi aqui dito, Ecchi não significa “relação sexual” e “renomado” não existe em Português de Portugal… “inclusive os de maior renome” seria mais adequado 🙂

Desculpa dar-te tanto na cabeça, mas achei piada ao artigo e fiquei reticente relativamente à forma como foi escrito. No entanto, entendo que vocês têm as vossas vidas e preocupações, e o vosso esforço para construir este site tem sido impecável!
Muito obrigado por estes minutinhos de procrastinação otaku e boa sorte 🙂


Como é que ainda ninguém fez referencia a HOTD ( High School of the Dead ) ?


oi! gostei muito de suas opiniões sobre o ecchi! parabéns! eu gostaria de saber de qual anime a garota loira na praia da primeira imagem é? e obrigado por esclarecer mais minhas duvidas sobre esse gênero!


    Oii. Obrigada pelo teu comentário.
    A primeira imagem é um fan art apenas, não é de nenhuma personagem em específico.


Sinceramente, eu gostava mais do gênero quando era adolescente. Hoje em dia? Quando quero ver sexualidade em animes, prefiro ver hentais. Estes, aliás, possuem situações tão absurdas que acabam por ser muito mais engraçados que muitos do gênero ecchi por aí…

Enfim, não condenando ninguém que goste de ecchi, mas na minha humilde opinião o ecchi só é legal quando é uma coisa secundária na história. Quando é o tema principal, rapidamente fica repetitivo e tedioso. (perdão pelo pt-BR, mas espero que dê para entender a mensagem)


    Olá Lesphirou!
    Entendi perfeitamente o que quiseste dizer (:
    Também gosto de hentais, porém acabo por não ver com tanta frequência. Acho que um pouco de ecchi pode sim ser engraçado em alguns animes. Quando é o foco principal, tem de haver uma staff e uma direção extremamente competentes atrás do projeto.
    Obrigada pelo comentário!



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

nineteen + seven =


Outras Histórias
Volume 51 de Fairy Tail - O início da batalha final O volume 51 de Fairy Tail foi lançado no mercado nipónico a 17 de setembro, no entanto o furor desencadeado perpetuou-se...
Partilhas