5 Curiosidades sobre a arte da escrita japonesa

por Daniel Silva
5 Curiosidades sobre a arte da escrita japonesa

Se também és fascinado pela escrita japonesa e por esta cultura, certamente ficarás igualmente fascinado com estas curiosidades! Sem dúvida que não é um idioma fácil de aprender – muitos consideram-na uma das línguas mais difíceis do mundo! – mas toda a sua história e particularidades são, no mínimo, fascinantes! Ora vê!

 

#1 – Como enviar uma carta

Para enviar uma carta no Japão, usar os kanji corretos é de extrema importância. Muitas vezes, basta um pequeno erro, como um traço fora do sítio, para mudar todo o sentido de uma frase ou de um nome, por exemplo. Além disso, no que toca a enviar cartas, no Japão há outras regras. Por exemplo, o nome do destinatário e a morada vêm na parte de trás do envelope. E deves usar uns kanjis maiores quando escrever o nome do remetente, para o destacar.

Se vais enviar uma carta para o Japão, o melhor mesmo é ter vários envelopes à mão, caso cometas algum erro – podes compras os teus em envelopesonline. Afinal, é melhor prevenir do que remediar, certo?

 

#2 – Três sistemas de escrita

Atualmente, vigoram três modelos de escrita no Japão. São eles: o hiragana, o katakana e o kanji.  Tentando explicar de uma forma simples, podemos dizer que o hiragana e o kanji permitem formar frases. Já o katakana corresponde aos estrangeirismos. A verdade é que é muito comum ver os três sistemas numa única frase!

 

Anime Barakamon

Anime: Barakamon

 

#3 – Kanjis: Mais do que letras

Como referimos antes, basta um erro num kanji para mudar todo o seu sentido. Por isso, é preciso entender que um kanji não representa uma letra ou um som. Na verdade, os kanjis são bem mais complexos e representam ideias e conceitos. O que queremos dizer é que devem ser encarados como símbolos. Quase que ilustrações! Já agora, sabias que existem mais de 40 mil kanjis em japonês? Segundo os especialistas, alguém que conheça 1945 kanjis pode ser considerado um “especialista em japonês”!

 

#4 – Da direita para a esquerda

Ao contrário do ocidente, no Japão, quer a leitura, quer a escrita é feita da direita para a esquerda. E mais: as linhas não são horizontais, mas verticais!  Por esta razão, quando são escritos os kanjis há uma ordem pela qual devem ser elaborados, de modo a respeitar os seus traços e derivações. Percebes agora por que é que a escrita japonesa é considerada uma arte?

 

#5 – Chinês versus Japonês

Sabes como um português fica ofendido quando ouve frases como “espanhol ou português é tudo a mesma coisa!”? Pois bem, quando um japonês – ou um chinês – ouve o mesmo sobre os seus idiomas é igualmente ofensivo! Por isso, não o faças! Ainda mais, porque falamos de culturas milenares e muito diferentes entre si. É certo que durante muitos anos o japonês foi “apenas” um idioma oral, ou seja, não existia uma escrita. Quando se deu essa transição, tudo indica que foi no século V, os japoneses usaram alguns kanjis da língua chinesa.

Contudo, mesmo nessa altura, estes dois idiomas – e formas de escrita – nunca tiveram qualquer tipo de relação!

 

0 comentário


Também deverás gostar de

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.